Aconteceu… O excelente chileno VIK chega ao Brasil


Foi uma grata surpresa receber o convite para a etapa de abertura
da apresentação do VIK ao mercado brasileiro. World Wine e Wine.com.br
programaram ações aqui no Rio, em São Paulo e Brasília. A apresentação do vinho
e da vinícola nesse tour pelo Brasil está a cargo de Gonzague de Lambert
(enólogo e Vice-presidente de Marketing e Vendas) e Julia Parapugna (Diretora
de vendas).

 Idas e Vinhas

Provamos o VIK pela primeira vez em 2012, em nossa maratona enológica pelo Chile. Das vinícolas que visitamos, a VIK foi sem dúvida uma das
experiências mais marcantes (leia mais aqui). Difícil dizer se foi pela
recepção impecável (que incluiu uma degustação especialíssima e uma noite de
hospedagem), pela beleza estonteante da paisagem ou pela alta qualidade do
vinho, o fato é que sempre comentamos com amigos o quanto vale a pena conhecer
a VIK.
A apresentação no Rio de Janeiro aconteceu na última terça-feira,
25 de Agosto, em um coquetel na loja Porto di Vino. Foi ótimo reencontrar o
Gonzague (foi ele quem conduziu a nossa visita em 2012), que está cada vez mais
entusiasmado com o projeto e se encarregou pessoalmente de servir os convidados
(e de trazer do Chile preciosas 36 garrafas de VIK).

Idas e Vinhas

Assim que cheguei, fui recepcionada com o VIK 2010 (a mesma safra
que provamos em 2012 e que temos em casa). Muitas vezes provamos um vinho em
determinada ocasião e ficamos com uma impressão que acaba não se confirmando
nas outras vezes. Por isso estava mesmo um pouco receosa de provar novamente,
querendo preservar a experiência anterior. E o que tenho a dizer é que….o
vinho é realmente excepcional. Aos cinco anos preserva a cor viva, os aromas
intensos e os taninos redondos. Tudo indica que tem um grande potencial de
guarda.

Idas e Vinhas
Gonzague e Ana Cristina

Gonzague fez uma breve apresentação da vinícola e do projeto VIK
(que inclui um outro rótulo, o VIK A) e Julia apresentou o hotel (dedicado ao
turismo de alto luxo) e o restaurante recentemente inaugurado. Em 2012 passamos
uma noite no lodge (o hotel estava em construção) que hoje é utilizado pela
família de Alexander VIK e o que hoje é a linda bodega estava nos primeiros
estágios do projeto.

Idas e Vinhas

Ao longo da noite, passamos ao VIK 2011 (e de volta ao 2010…). Em
2012, nossa degustação foi composta por 9 taças guardavam amostras do que seria
o VIK 2011. Ou seja, tivemos o privilégio de provar os diferentes lotes que
estavam repousando nas barricas antes que os enólogos decidissem o blend do
vinho. E, bem, acertaram! É tão bom quanto a safra 2010, mantém a identidade
aromática e traz sutis diferenças: é menos amadeirado e com taninos mais
marcantes.
Vamos aos vinhos?
VIK 2010
Cabernet Sauvignon 56%, Carménère 32%, Cabernet Franc 5%, Merlot
4%, Syrah 3%.
13.9 % de álcool.
Uvas colhidas manualmente e fermentadas com leveduras nativas. A
fermentação malolática foi feita em barricas novas de carvalho francês seguida
por 23 meses de envelhecimento. Envasado em 3 de Abril de 2010.
De cor rubi muito vivo e brilhante. No nariz, impressionou pela
intensidade e persistência dos aromas florais (rosas e violetas), de frutas
negras, cassis e baunilha. Em boca, as frutas negras e a baunilha se destacam.
Encorpado, com taninos marcantes e ainda assim redondos. Final longo, intenso e
muito agradável.

Idas e Vinhas

VIK 2011
Cabernet Sauvignon 55%, Carménère 29%, Cabernet Franc 7%, Merlot
5%, Syrah 4%.
13.9 % de álcool.
Uvas colhidas manualmente e fermentadas com leveduras nativas. A
fermentação malolática foi feita em barricas novas de carvalho francês seguida
por 23 meses de envelhecimento. Envasado em 5 de Abril de 2013.
Também de cor rubi muito vivo e brilhante, o VIK 2011 tem perfil
aromático bastante similar ao 2010. A madeira aqui é mais sutil e os taninos
são ainda mais marcantes sem perder a elegância. Final longo, intenso e
muitíssimo agradável
.
Idas e Vinhas

A Wine.com.br já está comercializando tanto o VIK (R$ 590,00 para
não membros) quanto o VIK A (R$ 170,00 para não membros).
Em 2012 adquirimos o VIK 2010 na própria vinícola, e pagamos 135
dólares.
Idas e Vinhas
Rodrigo Oliveira da World Wine (ao centro), com os sócios da Porto di Vino Bernardo Larreta e Bernardo Murgel

Leia sobre a nossa viagem ao Chile:

Idas e Vinhas na Estrada – 12/12/2012 parte IV – Viña VIK – Valle de Colchagua

Após
o excelente almoço na Casa Silva (veja
post aqui) nos dirigimos à Viña VIK, o que levou quase duas horas.
 

A
essa altura, não sabíamos exatamente o que encontrar, pois é uma vinícola
bastante nova (o projeto iniciou em 2006 e a primeira safra lançada foi em
2009 com o propósito de produzir um dos melhores vinhos do mundo). Estávamos
ansiosos por conhecer a propriedade, famosa pela beleza de seu terroir e pela
exclusividade das acomodações (são apenas 4 suítes, enquanto o projeto do
hotel com 16 quartos não fica pronto) e também para degustar o misterioso VIK.

Idas e Vinhas
Entrada da vinícola
A região
A
VIK fica em uma microregião chamada Millahue Valley (Local de Ouro na língua indígena), ao norte do Valle de Apalta,
subregião do Valle de Colchagua, a cerca de 180 km ao sul de Santiago. Fica
próxima da Casa Lapostolle e da Viña Montes, só que do outro lado da montanha,
o que deixa a VIK um pouco isolada.
Idas e Vinhas
A
VIK, com seus impressionantes 4300 hectares (sendo 394 ha de vinhas) está
localizada no interior do Millahue, em um local recortado por vários
desfiladeiros. A vinícola se espalha por 12 pequenos vales, e essa condição
cria uma variedade muito grande de microclimas, pois as condições de exposição
ao sol e aos ventos são muito variadas. Essas peculiaridades foram
minuciosamente estudadas para a escolha das castas que seriam plantadas em cada
quartel. Afinal, o objetivo é produzir um vinho que esteja entre os grandes!
O
clima da região também favorece o crescimento de castas viníferas. Pouca chuva,
temperaturas moderadas e constantes durante o dia e noites muito frias. A
posição geográfica da VIK também se beneficia do vento frio (2 a 3ºC) que chega
na madrugada, vindo do Pacífico pelo caminho formado pela montanha Los Lazos e
atravessando a propriedade. Esse vento resfria os vales e previne a desidratação
das uvas, reduzindo o risco do aparecimento de fungos nos cachos.
A vinícola
Em
2004, o empreendedor norueguês Alexander Vik iniciou o projeto de formar um
vinhedo de qualidade excepcional, capaz de produzir um vinho único, especial.
Foram
dois anos de pesquisas pela América do Sul, até que a propriedade no Valle de
Millahue fosse escolhida. A primeira safra, lançada em 2009, foi um sucesso,
completamente vendida ainda nas barricas.
Idas e Vinhas
Nesses
três anos, a vinícola segue em franco desenvolvimento, com alta tecnologia e
técnicas sustentáveis. A nova bodega, super moderna, ainda está em construção,
assim como o hotel.
Em
nossa visita, pudemos degustar a safra 2010 e as parcelas que irão formar o blend do VIK 2011.
Passeio pelos
vinhedos e a degustação
Atravessamos
a entrada da vinícola e nos dirigimos ao lodge,
para deixar nossa bagagem e aguardar o enólogo que nos receberia. Foi só o
tempo de deixar as malas no quarto e ir ao encontro de Gonzague de Lambert, da
equipe de enólogos.
Bastante
simpático, Gonzague tem um currículo impressionante. Sua família é dona da
vinícola Château de Sales, no Pomerol (França), que produz cerca de 15000
garrafas por ano. Com apenas 36 anos, está há cerca de 8 anos no Chile e
trabalha no projeto da VIK desde o início. Ao ser perguntado porque resolveu
deixar a França, respondeu que o Chile representava um desafio, uma
oportunidade de aplicar novas técnicas. Na França não há espaço para inovações
significativas, praticamente tudo já foi inventado.
Idas e Vinhas
Gonzague
nos levou por um tour pelos vinhedos,
que durou cerca de 1 hora. Foi possível perceber os diferentes terroirs, examinamos as videiras das
diferentes castas, o princípio de irrigação…

Idas e Vinhas
A
VIK utiliza o sistema de plantio por porta-enxerto, são vários tipos,
dependendo de cada microterroir. As videiras são plantadas em sistema adensado
( 8 a 10 mil plantas por hectare), pois dessa forma a competição entre as
plantas faz com que desenvolvam raízes mais profundas. Para que isso aconteça,
as plantas são irrigadas por 3 a 4 anos.
Após
o belo passeio, nos dirigimos à bodega para a degustação. Podemos dizer que foi
uma das melhores experiências nesse sentido. Embora a VIK produza apenas um
único vinho, a degustação que foi preparada foi realmente especial.
Antes
da degustação, Gonzague nos mostrou a maquete da nova bodega, com todos os detalhes,
onde belos espelhos d’água, além da beleza, irão auxiliar no controle da
temperatura. Também foi apresentado um breve vídeo promocional sobre o projeto
VIK.
Vamos à degustação?


Idas e Vinhas


Como
referência tínhamos o VIK 2010, que está no mercado. Em seguida, cuidadosamente
dispostas ao seu redor, 9 taças guardavam amostras do que será o VIK 2011. Ou
seja, tivemos o privilégio de provar os diferentes lotes que estavam repousando
nas barricas antes que os enólogos decidam o blend do vinho que será lançado.
 Idas e Vinhas
Cada
taça representava um lote diferente. Ou seja, mesmo se as taças fossem de uma
mesma casta, o quartel era distinto, pois as uvas de cada quartel são
vinificadas e estagiam separadamente nas barricas.
Das
9 taças, 3 eram de Cabernet Sauvignon, 1 de Cabernet Franc, 1 de Merlot, 1 de
Syrah e 3 Carmenère.
Foi
uma verdadeira aula!! Foi possível distinguir as características de cada casta,
bem como dos diferentes quartéis.
O
vinho é realmente excelente. Encorpado, complexo, com destaque para as frutas
vermelhas, notas florais e minerais. É um vinho que tem potencial de guarda,
mas já está pronto e é bastante agradável quando jovem.
A hospedagem no lodge
Após
a degustação, nos dirigimos ao lodge,
onde passaríamos a noite.

Idas e Vinhas

Idas e Vinhas

Idas e Vinhas

Idas e Vinhas
Idas e Vinhas
O
local é de uma beleza impressionante, e o lodge
é muito aconchegante. Rústico e sofisticado ao mesmo tempo, com muito conforto.
Às
20h em ponto, nosso jantar foi servido. Comida preparada com esmero,
acompanhada do belo VIK 2010.
Idas e Vinhas
Na
manhã seguinte, após um delicioso café da manhã, a relações públicas Sabrina
Fière
veio nos desejar boa viagem. Muito gentil e simpática!
Muito
obrigada à equipe VIK, que nos recebeu com tanta delicadeza e atenção. Foi uma
experiência inesquecível!!