Provamos e aprovamos… Vinho Verde Quinta de Covela Edição Nacional Avesso 2015

Idas e Vinhas

A temporada de calor escaldante no Rio de Janeiro acabou de começar! Chegou a hora dos brancos, rosés e espumantes…

Um branco que é excelente para amenizar o calor é o Vinho Verde. Produzido na D.O. Vinhos Verdes, entre os rios Douro e Minho, no noroeste de Portugal, é leve e com acidez refrescante. Esses atributos fazem com que seja ideal para ser bebido como aperitivo ou para harmonizar com pratos leves – saladas, frutos do mar, carnes brancas…

Fizemos nossa tradicional bacalhoada e harmonizou muito bem com esse vinho!

Idas e Vinhas

Conheça mais sobre a D.O. Vinhos Verdes aqui.

Já escrevemos sobre a Quinta de Covela, safra 2013 neste post.

Dessa vez, provamos a safra 2015. 

Vamos ao vinho?

100% Avesso, fermentação com leveduras indígenas, 12,5% de álcool. Sem passagem em carvalho.
Cor amarelo palha claro. Com aromas persistentes de frutas cítricas (maçã verde e pêssego), flor de laranjeira, lírio e notas minerais. Em boca é de corpo leve, acidez fresca, maciez e álcool equilibrado. As frutas cítricas e a mineralidade se destacam. Final de média persistência com retrogosto cítrico e refrescante.

Vale a pena provar!

Nota IV: 87
Nota WS: 88
Importadora: Winebrands


Idas e Vinhas


Provamos e aprovamos… Vinho Verde Quinta de Covela Edição Nacional Avesso 2013

Idas e Vinhas

A Quinta de Covela já foi propriedade do famoso cineasta europeu Manoel
Oliveira
(falecido em 2015 aos 106 anos). Ao final da década de 80 foi
comprada pelo empresário Nuno Araújo que fez altos investimentos nos
vinhedos e em tecnologia para tornar a vinícola competitiva, criando a marca
Covela. Atualmente a propriedade está sob o comando do grupo
Lima Smith LDA que, além da Covela, são proprietários da Quinta
da Boavista
e Quinta das Tecedeiras.

Idas e Vinhas
Com o passar dos anos os vinhos começaram a ganhar
notoriedade tanto em Portugal como em outros países (inclusive no Brasil). O
design dos rótulos é moderno e o enólogo Rui Cunha aposta na elaboração
de vinhos com cortes utilizando castas portuguesas e internacionais. Em 2007 a Covela
conquistou o status de produtor biodinâmico ajudando a se firmar como vinícola
de ponta no país.
 

Idas e Vinhas
Foto: Ana Paula Carvalho
A localização é privilegiada, na fronteira
entre a zona granítica da Região dos Vinhos Verdes e a região de xisto dos
Vinhos do Porto. A vista dos vinhedos e do vale do Douro é cinematográfica.
Conta com 49 hectares, dos quais 18 com vinhedos, distribuídos por duas regiões
do Baixo Douro, São Tomé de Covelas e Santa Cruz do Douro, reconhecidas pela
extraordinária beleza natural e pela sua rica história cultural.
 

Idas e Vinhas
Foto: Pedro Sampayo Ribeiro
Os vinhedos estão plantados em terraços às
margens do Rio Douro. Os solos são graníticos e pobres, o que obriga as raízes
das vinhas a procurar água e nutrientes em camadas muito profundas.
Recentemente participamos de um jantar
harmonizado organizado pela CVRVV, no Rio de Janeiro. Veja aqui como
foi.
Também já escrevemos sobre a D.O. Vinhos Verdes
aqui.
Vamos ao vinho?
100% Avesso, fermentação com leveduras
indígenas, 12,5% de álcool.
Cor amarelo palha claro com reflexos verdeais.
Com aromas persistentes de frutas cítricas (laranja e limão), flor de
laranjeira e de mineralidade marcante. No paladar apresenta corpo leve, acidez
fresca, maciez e álcool equilibrado. As frutas cítricas e a mineralidade ganham
destaque. Final de média persistência com retrogosto cítrico e refrescante.
Ao mesmo tempo em que é agradável para ser
degustado sozinho, é bastante gastronômico devido a sua alta acidez e leveza. Acompanha
bem saladas, frutos do mar, peixes e carne de aves além de ser uma opção interessante
para harmonizar com a gastronomia oriental.
Só tem um problema: acaba rapidinho!!!
Nota IV: 87
Importadora: Magnum
Idas e Vinhas