Abreu Garcia é Ouro na Grande Prova Vinhos do Brasil 2017

Foi com grande satisfação que recebemos o resultado da Grande Prova Vinhos do Brasil 2017! A 5a edição da iniciativa do Grupo Baco, que ocorreu entre 23 a 26 de Outubro, avaliou vinhos de 125 vinícolas nacionais que concorreram em diversas categorias.

O Abreu Garcia Cabernet-Sauvignon-Merlot 2012 foi agraciado com a medalha de ouro na categoria Tinto Cortes.
A prova foi feita às cegas, e resultou na determinação de medalhas e na eleição dos melhores em cada uma das 29 categorias (distribuídas entre vinhos e sucos). 
O evento teve curadoria do expert Marcelo Copello, que preside o concurso e coordenação geral de Sérgio Queiroz, sócios do Grupo BACO, organizadores do evento. O IBRAVIN (Instituto Brasileiro do Vinho), por meio do projeto Vinhos da Brasil, é um dos apoiadores de destaque do evento.
Ficamos muito contentes com o resultado (representamos a Abreu Garcia com exclusividade aqui no Rio de Janeiro) e parabenizamos a equipe da vinícola, em especial o jovem enólogo Leonardo Ferrari
A Abreu Garcia, vinícola boutique instalada em uma bela propriedade em Campo Belo do Sul – SC, vem conseguindo conquistar seu espaço nesse mercado tão competitivo. Além do corte tinto agora premiado, a vinícola produz excelentes espumantes, vinhos brancos e rosés.
Outro vinho que vem conquistando admiradores é o Chardonnay Carvalho 2014, que fez sucesso na 1a edição do Vini Bra Expo 2017, iniciativa de Gustavo Guagliardi Pacheco, onde o Idas e Vinhas coordenou o movimentado stand da vinícola.
MEDALHA DE OURO -Tinto Cortes – Abreu Garcia Cabernet Sauvignon – Merlot 2012

A cerimônia de entrega dos certificados acontecerá no próximo dia 23/11 às 19h no Hotel TRI Flores da Cunha (R. John Kennedy, 1031 – São José), apenas para convidados.
O resultado consolidado de todas as categorias será publicado no Anuário Vinhos do Brasil 2018, junto com o panorama do setor, tradicionalmente divulgado no início do ano.

Saiba mais sobre a Abreu Garcia:

Provamos e aprovamos… Columbia Crest Grand Estates Cabernet Sauvignon 2013


A Columbia Crest produz vinhos muito bons de forma bastante consistente
ao longo das safras…

São cerca de 2500 acres de vinhedos próprios
localizados na AVA Columbia Valley, no estado norte americano de Washington. E
é aqui que muitos se confundem! Não estamos falando da capital Washington DC–
costa Leste, mas sim do estado de Washington – costa Oeste e conceituada região
produtora de vinhos (embora não tão conhecida por aqui quanto a Califórnia).
As vinhas começaram a ser
plantadas em 1978, e a primeira safra data de 1983. Tendo como enólogo desde
2003 o argentino Juan Muñoz Oca, a safra de 2005 do Cabernet Sauvignon Reserva
foi considerado em 2009 “O Vinho do Ano” pela revista americana Wine
Spectator. Ao longo do tempo, as críticas sempre foram bastante positivas,
sinal da consistência da vinícola.
Atualmente a Columbia
Crest divide o protfólio em 3 linhas: a de entrada (Grand Estates), uma linha
intermediária (H3) e a premium Reserve.
O vinho deste post é o Grand Estates Cabernet Sauvignon 2013.
Mesmo sendo da linha de entrada, mostrou ampla gama de aromas, apresentando
intensidade e persistência tanto no nariz quanto em boca.
Vamos ao vinho?
Columbia Crest Grand Estates Cabernet Sauvignon 2013
87% Cabernet Sauvignon, 7%
Merlot e 6% Syrah. A fermentação malolática é conduzida
em tanques de aço inoxidável e de carvalho. Após o blend e antes de ser engarrafado, permanece pelo menos 6 meses em
barricas de carvalho francês e americano (50% novas). 13,5% de álcool.
Cor vermelho granada. Aromas finos, persistentes
e muito intensos de violetas, cassis e framboesas, ameixas maduras, geleia de
frutas vermelhas e negras, tabaco, chocolate, café e madeira, além do frescor
do eucalipto. Em boca tem bom corpo e equilíbrio entre acidez, álcool e
taninos. Os taninos estão presentes de forma agradável. Embora a madeira
apareça bastante intensa no nariz, em boca está bem integrada. Destacam-se o
café e a geleia de frutas. De final longo, intenso e persistente com fundo de
geleia de frutas, menta e madeira.
Nota IV: 89 
Importadora: Winebrands
Idas e Vinhas

Leia mais sobre a Columbia Crest:

Columbia Crest H3 Horse Heaven Hills Cabernet Sauvignon 2009

Columbia Crest H3 HorseHeaven Hills Chardonnay 2009

Aconteceu… Idas e Vinhas e Abreu Garcia na Bardot – Vinhos e Artes

Idas e Vinhas

Na tarde de sábado, 16 de Julho de Abril de 2016, passamos ótimos momentos na Bardot – Vinhos e Artes. Apresentamos aos amigos clientes da delicatessen os vinhos da vinícola catarinense Abreu Garcia, que representamos com exclusividade aqui no Rio de Janeiro.

Idas e Vinhas

A Abreu Garcia é uma vinícola jovem que vem firmando sua marca no cenário nacional de vinhos. Os vinhedos no planalto catarinense estão a mais de 900 metros de altitude. Essa nova fronteira vinícola produz vinhos frescos, elegantes e muito equilibrados.

Idas e Vinhas
Alexandre, Abel (Bardot – Vinhos e Artes) e Ana Cristina

Foram degustados rótulos das linhas Santa Clara e Abreu Garcia e pudemos trocar muitas experiências com a plateia participativa e entusiasmada em descobrir mais sobre a personalidade dos vinhos catarinenses. Em virtude de um proveitoso estágio na Abreu Garcia, o Alexandre pôde explicar detalhes da vinificação dos vinhos e a forma cuidadosa com que as vinhas são manejadas.

Idas e Vinhas

Os vinhos:
Abreu Garcia Espumante Brut Rosé
Santa Clara Sauvignon Blanc 2014
Abreu Garcia Chardonnay carvalho 2014
Abreu Garcia Rosé Malbec 2015
Santa Clara Cabernet Sauvignon/Merlot 2011
Abreu Garcia Cabernet Sauvignon/Merlot 2011

Foi um sucesso. O Chardonnay com passagem de 18 meses em barricas de carvalho novas foi um dos destaques. O deliciosamente frutado Malbec Rosé e o equilibrado e marcante blend Cabernet Sauvignon/Merlot completaram o top 3.

Idas e Vinhas

Nosso muito obrigado a todos os presentes nessa tarde leve e descontraída, e ao Abel e à sempre gentil equipe da Bardot pelo apoio. Saúde!! Cheers!! Santé!!

Leia aqui sobre a nossa tarde na Bardot em Abril, cujo tema foram os vinhos biodinâmicos da vinícola chilena Emiliana.

Saiba mais sobre os vinhos da Abreu Garcia.
Espumante Abreu Garcia Brut Rosé 2015 aqui.

Espumante Abreu Garcia Brut Festividad (Champenoise) 2015 aqui.
Santa Clara Sauvignon Blanc 2014 aqui.
Abreu Garcia Chardonnay 2015 aqui.
Abreu Garcia Chardonnay Carvalho 2014 aqui.
Abreu Garcia Rosé Malbec 2015 aqui.
Santa Clara Cabernet Sauvignon Merlot 2011 aqui.
Abreu Garcia Cabernet Sauvignon Merlot 2011 aqui.

Lançamento Abreu Garcia: Santa Clara Cabernet Sauvignon/Merlot 2011

Idas e Vinhas

No
final de 2015 a Abreu Garcia lançou uma
nova linha: a Santa Clara. São
vinhos que já chegam ao mercado prontos para serem degustados. Bem feitos,
frescos e equilibrados, até agora são dois rótulos: Sauvignon Blanc e um blend de Cabernet
Sauvignon
e Merlot.

Merlot, Malbec, Pinot Noir, Cabernet Sauvignon, Sauvignon
Blanc e Chardonnay são as principais castas plantadas pela Abreu Garcia em sua propriedade em Campo Belo do Sul, no Planalto Catarinense.
O terroir e a altitude (os vinhedos ficam a 950m acima
do nível do mar) favorecem a produção de espumantes e a de vinhos tranquilos
equilibrados, com teores de álcool bem moderados (média 12,5%) e acidez
marcante. Já escrevemos mais detalhadamente sobre o produtor AQUI
e ao final do texto vocês podem acessar os links
para os demais vinhos que provamos.
Neste post apresentamos o Cabernet Sauvignon/Merlot 2011. Para a elaboração do vinho, a
seleção dos cachos começa já no vinhedo, e os lotes de Cabernet Sauvignon e a
Merlot são vinificadas separadamente.
Vamos ao vinho?
Santa
Clara Cabernet Sauvignon/Merlot 2011
60% Cabernet Sauvignon e 40% Merlot. 12,58 % de álcool.
Colheita manual. Estagia 12 meses em barricas de carvalho francês de 2º e 3º
usos.
Cor vermelho granada. No nariz, boa variedade de
aromas, tanto frescos como de evolução, o que confere certa complexidade muito
interessante a esse blend.
Destacam-se os aromas florais (violetas), de frutos do bosque (cassis), pimenta
do reino, café e notas defumadas. Em boca, os aromas mais marcantes são de
licor de cassis e defumado. Taninos marcantes de muito boa qualidade, em
equilíbrio com o álcool e a acidez. Final persistente e de média intensidade,
com fundo mentolado e de especiarias. Pronto para beber. Excelente
custo/benefício!
Nota
IV: 87.
Muito bom, com características especiais.
Pedidos
no Rio de Janeiro: contato@idasevinhas.com.br
Idas e Vinhas

O Santa Clara Cabernet
Sauvignon/Merlot 2011
está em nosso Wine Club, com
condições especiais para os associados. Acesse aqui a campanha: Duo AG Santa Clara
Ainda
não é membro do Idas e Vinhas Wine Club? Inscreva-se AQUI. É gratuito!
Conheça
os demais vinhos Abreu Garcia que provamos:

Lançamento Abreu Garcia: Santa Clara Sauvignon Blanc 2014

Idas e Vinhas

Merlot, Malbec, Pinot Noir, Cabernet Sauvignon,
Sauvignon Blanc e Chardonnay são as principais castas plantadas pela Abreu Garcia em sua propriedade em
Campo Belo do Sul, no Planalto
Catarinense
.

O terroir e a altitude (os vinhedos ficam a 950 m
acima do nível do mar) favorecem a produção de espumantes e a de vinhos
tranquilos equilibrados, com teores de álcool bem moderados (média 12,5%) e
acidez marcante. Já escrevemos mais detalhadamente sobre o produtor AQUI
e ao final desse post vocês podem acessar os links para os demais vinhos que
provamos.
Hoje falamos da nova linha que a Abreu Garcia lançou no final de 2015, a Santa Clara. São vinhos que já chegam ao mercado prontos para serem
degustados. Bem feitos, frescos e equilibrados, até agora são dois rótulos: Sauvignon Blanc e um blend de Cabernet Sauvignon e Merlot.
Neste post apresentamos o Sauvignon Blanc 2014. Usualmente, os Sauvignon Blanc que estamos
mais acostumados (os chilenos) podem apresentar notas muito marcantes de
maracujá e abacaxi. Não é isso que ocorre com o Santa Clara. É um vinho mais
refrescante, com outra gama aromática, e do qual foram produzidas apenas 7800
garrafas (numeradas).
Vamos ao vinho?
Santa
Clara Sauvignon Blanc 2014
100% Sauvignon Blanc. 12% de álcool. Colheita manual.
Permanece 14 meses em contato com as borras.
Cor amarelo palha. No nariz, os aromas são finos e
refrescantes. Os florais e cítricos aparecem primeiro: flor de laranjeira, lima
da pérsia e grapefruit (toranja). O abacaxi fresco e maduro aparece com muita
delicadeza, e o tomilho torna o vinho ainda mais interessante. Em boca, os
aromas que se destacam são os florais e cítricos. De corpo leve, boa acidez,
álcool bem integrado. Equilibrado e elegante, o final bem intenso e de boa
persistência é refrescante, com fundo floral. Para ser bebido jovem. Excelente
custo/benefício!
Nota
IV
: 86. Muito bom, com características especiais.
Pedidos
no Rio de Janeiro: contato@idasevinhas.com.br
Idas e Vinhas

O
Santa Clara Sauvignon Blanc 2014 está em nosso Wine Club, com condições especiais
para os associados. Acesse aqui a campanha: Duo AG Santa Clara
Ainda
não é membro do Idas e Vinhas Wine Club? Inscreva-se AQUI. É gratuito!
Conheça
os demais vinhos Abreu Garcia que provamos:

Aconteceu… Idas e Vinhas na Bardot – Vinhos e Artes – vinícola Emiliana

Idas e Vinhas

No último sábado, 02 de Abril de 2016, voltamos
à Bardot – Vinhos e Artes
para conduzir uma degustação muito legal! Nosso amigo Abel Mendes (Casa Flora)
sabe escolher bem não só os temas mas também a sequência dos vinhos, o que
torna seus convites sempre irrecusáveis.

Idas e Vinhas
Da esquerda para a direita: Alexandre, Ana Cristina e Abel
A degustação foi especial por dois motivos:
tratam-se de vinhos orgânicos e biodinâmicos* e que são
produzidos pela excelente vinícola Emiliana,
sediada no Valle de Casablanca, Chile.
Uma das etapas da nossa Maratona enológica pelo Chile em 2012 foi justamente a Emiliana. Ficamos muito
impressionados com toda a estrutura da vinícola e o cuidado com que nos
receberam. Foram quase 4 horas de visita, onde pudemos aprender mais ainda
sobre as práticas agrícolas biodinâmicas. Tais práticas (que conferimos também
na Matetic
e na Antiyal)
fazem parte de uma filosofia maior – a Antroposofia – cujo patriarca foi
o austríaco Rudolf Steiner (1861 – 1925).
De acordo com Steiner, o homem deve desenvolver
seu espírito, afastando-se do excesso de materialismo tornando-se uno com a
Natureza. Daí o emprego de técnicas agrícolas que fortaleçam uma “relação
espiritual–ética com o solo, com as plantas e os animais e com os coirmãos
humanos.” Saiba mais sobre a Agricultura Biodinâmica aqui.
Além do enfoque de serem vinhos naturais, a
Emiliana produz vinhos de excelente qualidade.
Em tarde de casa cheia e animada, apresentamos
6 rótulos das linhas reserva e Gran Reserva Adobe e Novas,
respectivamente.
Idas e Vinhas

Adobe Reserva Chardonnay 2014 – Valle de
Casablanca
Adobe Reserva Pinot Noir 2014 – Valle de
Colchagua
Adobe Reserva Carmenére 2014 – Valle de
Colchagua
Adobe Reserva Merlot 2014 – Valle de Rapel
Novas Gran Reserva Pinot Noir 2014 – Valle de
Casablanca
Novas Gran Reserva Cabernet/Merlot 2013 – Valle
do Maipo
Idas e Vinhas
Foi um empolgante passeio rico em castas e
também regiões chilenas. A Emiliana tem mais de 700 hectares de vinhedos
espalhados pelo Chile, com o cuidado de plantar as uvas que produzem melhores
resultados em cada Vale.
Escolher o melhor vinho foi tarefa difícil!
Toda a seleção foi muito apreciada. Quanto aos destaques, todos concordaram que
o Chardonnay (com 5% do lote passando em madeira) é de altíssima
qualidade. Passando-se aos tintos, o Adobe Reserva Merlot e o Novas
Gran Reserva Cabernet/Merlot
foram aclamados.
Agradecemos a todos os presentes que entraram
no clima da tarde leve e descontraída, e novamente ao Abel e à sempre gentil
equipe da Bardot
pela oportunidade. Que venham as próximas!
Idas e Vinhas

*Leia aqui
sobre uma degustação sobre vinhos orgânicos e biodinâmicos que conduzimos, e
onde apresentamos um dos vinhos ícones da Emiliana, o Coyam.

Os vinhos apresentados você encontra na Bardot Vinhos e Artes.

Volta à França em 40 Vinhos… Bordeaux, AOC Médoc, Château Le Monge 2011

Idas e Vinhas

Em 27 de Março do ano
passado iniciamos a série Volta à França em 40 vinhos. Os rótulos foram selecionados do portfólio da
importadora Everest, que representamos aqui
no Rio. Depois de muitas Idas e Vinhas
pelo mundo do vinho, chegou a hora da retomada dessa incrível maratona…

E nada melhor do que
retomá-la pela mítica Bordeaux, a
região cujo estilo a maioria dos enólogos se espelha ao buscar a perfeição. O
corte bordalês (Merlot, Cabernet Franc e Cabernet Sauvignon constituem a tríade
principal, podendo ser complementadas pelas Petit Verdot, Malbec e Carmenère, em
variadas proporções) é reproduzido em praticamente todo país produtor, e não
estamos falando apenas no chamado “novo mundo” do vinho, mas de países também
tradicionais na arte de vinificar como Itália, Portugal…

Idas e Vinhas
De acordo com Amarante1,
Bordeaux pode ser dividida geograficamente em três grandes zonas:
        1.       Médoc e Graves – centrada na cidade de
Bordeaux. Essa zona é chamada de margem
esquerda
, uma vez que está localizada entre a margem esquerda do estuário
do Gironde e do rio Garonne.
       2.   
Libournais, Côtes de Bourg
e de Blaye
– centrada na cidade de Libourne. É chamada de margem direita, uma vez que está à direita do estuário do Gironde e
do rio Dordogne.
         3.   
Zona Central – situada entre os rios
Garonne e Dordogne, onde sobressai a AOC Entre-Deux-Mers.
O vinho que reabre a
Volta à França é o Château Le Monge 2011,
AOC Médoc (que abrange apenas vinhos
tintos). Bom, como o sistema de apelações francesas não pode ser chamado se
simples…o Médoc por sua vez é subdividido em apelações sub-regionais e
comunais. É no Haut-Médoc que são localizadas as estelares AOC comunais de
Saint Estéphe, Pauillac, Saint Julien, Margaux…
Os vinhos vendidos sob a
AOC Médoc vêm sobretudo da metade norte da região. Quanto ao corte, a Merlot aparece em maior proporção e é
complementada pela Cabernet Sauvignon,
menores quantidades de Cabernet Franc e pequenas porcentagens de Petit Verdot e
Malbec.
A Cave Saint Jean, produtora do Château Le Monge, faz parte de uma cooperativa de produtores do
Médoc. O cooperativismo é uma tendência da região, que congrega em sua maioria
pequenos produtores.
As videiras são plantadas
em Begadan, vila a noroeste de Bordeaux, entre o Oceano Atlântico e o estuário
do Gironde.
Vamos
ao vinho?

Château Le Monge 2011 AOC
Médoc
55% Merlot/43%Cabernet Sauvignon/2% Cabernet Franc. 13% de álcool.
20 meses de maturação, sendo 6 meses em barricas de carvalho francês.
Cor vermelho granada. No
nariz, os aromas são persistentes e muito intensos. Inicialmente sobressaem
aromas florais (rosas e violetas), e à medida que o vinho vai abrindo, revela
aromas de frutas vermelhas e negras (framboesas, cassis, amoras), café, pimenta
do reino e notas terrosas. Em boca tem corpo médio e é muito equilibrado. Os
taninos são de ótima qualidade e estão elegantemente integrados ao álcool e à
acidez. Os aromas florais e frutados são confirmados, e a pimenta do reino
adquire maior destaque. Final longo e com fundo frutado e picante. Ótimo vinho!
Nota IV: 90
Pedidos RJ: contato@idasevinhas.com.br
O
Chateau Le Monge 2011 está na campanha do Idas e Vinhas Wine Club! Acesse AQUI
e garanta o seu.


Idas e Vinhas

Fontes
consultadas para esse post:
Amarante, José Osvaldo Albano do. Os segredos do vinho para iniciantes e iniciados. Mescla Editoria.
2010.
Joseph, Robert. Vinhos
Franceses
. Zahar. 2008.

Acompanhe a Volta à França em 40 Vinhos

Provamos e aprovamos… Safra 2015 do espumante Brut Rosé Abreu Garcia

Idas e Vinhas

Acaba de chegar ao mercado a safra 2015 do Abreu Garcia Espumante Rosé Brut. Hoje abrimos uma garrafa para fazer a avaliação e confirmamos a consistência que essa jovem vinícola vem exibindo desde que a conhecemos.

Já escrevemos sobre a vinícola e seus vinhos aqui.

Leia sobre o espumante Brut Festividad (Champenoise) 2015 aqui.
Leia sobre Rosé Malbec 2015 aqui.
Leia sobre o Chardonnay 2015 aqui.


Vamos ao vinho?
Abreu Garcia Espumante Brut Rosé
Corte composto por 47,81% Cabernet Sauvignon, 22,28% Merlot, 13,94% Sangiovese e 15,47% Pinot Noir, pelo método Charmat, 11,5% de teor alcoólico.

Essa nova safra mantém a identidade do produto, exibindo excelente frescor e aromas delicados e agradáveis. Cor pele de cebola. O perlage tem muito boa persistência, formando um colar uniforme. As bolhas formadas têm bom tamanho e aparecem em quantidade significativa. No nariz, delicados aromas florais (rosas) e frutados de morango, cereja e framboesa. Em boca, as frutas vermelhas são confirmadas, percebem-se cremosidade e boa qualidade de CO2 além de equilíbrio entre maciez e acidez. Bom corpo e final longo e refrescante.

Nota IV: 86
Pedidos RJ: contato@idasevinhas.com.br

Abreu Garcia Brut Rosé 2015


Provamos e aprovamos… Château Lafargue 2008 – Bordeaux, Pessac-Léognan

Idas e Vinhas
Situada ao norte de Graves, a AOC Pessac-Léognan,
em Bordeaux, engloba alguns dos melhores vinhedos do mundo. Produz
tintos aromáticos, estruturados e aveludados.

Idas e Vinhas
Clique para ampliar
O Château Lafargue pertence à mesma família há três gerações. Inicialmente possuía
apenas 2 hectares de vinhedos e o foco principal da família era o cultivo de
leguminosas. Em 1983 Jean Pierre Leymarie assumiu a propriedade
adquiriu novos vinhedos e investiu em infraestrutura. Hoje a propriedade conta
com 18,5 hectares sendo 16 para as tintas Cabernet Sauvignon, Merlot, Cabernet
Franc e Petit Verdot e 2,5 de Sauvignon Blanc e Sauvignon Gris. A média de
idade dos vinhedos é entre 20 e 25 anos.

O portfólio da vinícola é composto por apenas 3
rótulos sendo dois tintos e um branco:
Château Lafargue Prestige (produção média de 7mil
garrafas)
Château Lafargue (produção média de 120 mil
garrafas)
Château Lafargue (branco: Sauvignon Blanc e
Sauvignon Gris, produção média de 14 mil garrafas)
Vamos ao vinho?
60% Merlot, 26% Cabernet Sauvignon, 12%
Cabernet Franc, 2% Malbec e Petit Verdot. Afinamento durante 12 a 15 meses em
carvalho. 13,5% de álcool.
Cor vermelho granada. Impressionante variedade
de aromas, intensos e persistentes. Ameixa seca, uva passa, groselha, mirtilo,
cassis, cereja, morango, tabaco, baunilha, louro, madeira e rosas. Médio corpo
em boca, com boa acidez, álcool e taninos equilibrados. Confirmam-se as frutas
secas, o tabaco e a baunilha. Final de boca muito intenso e persistente, com
fundo mentolado e levemente tostado.
Vale a pena provar!!
A safra de 2011 recebeu 88 pontos na revista
Decanter. O vinho deste post (safra 2008) é o vinho da semana do nosso Wine Club.
Nota IV: 86
Importadora: Everest 
Vendas no Rio de Janeiro: contato@idasevinhas.com.br
Idas e Vinhas

Aconteceu… O excelente chileno VIK chega ao Brasil


Foi uma grata surpresa receber o convite para a etapa de abertura
da apresentação do VIK ao mercado brasileiro. World Wine e Wine.com.br
programaram ações aqui no Rio, em São Paulo e Brasília. A apresentação do vinho
e da vinícola nesse tour pelo Brasil está a cargo de Gonzague de Lambert
(enólogo e Vice-presidente de Marketing e Vendas) e Julia Parapugna (Diretora
de vendas).

 Idas e Vinhas

Provamos o VIK pela primeira vez em 2012, em nossa maratona enológica pelo Chile. Das vinícolas que visitamos, a VIK foi sem dúvida uma das
experiências mais marcantes (leia mais aqui). Difícil dizer se foi pela
recepção impecável (que incluiu uma degustação especialíssima e uma noite de
hospedagem), pela beleza estonteante da paisagem ou pela alta qualidade do
vinho, o fato é que sempre comentamos com amigos o quanto vale a pena conhecer
a VIK.
A apresentação no Rio de Janeiro aconteceu na última terça-feira,
25 de Agosto, em um coquetel na loja Porto di Vino. Foi ótimo reencontrar o
Gonzague (foi ele quem conduziu a nossa visita em 2012), que está cada vez mais
entusiasmado com o projeto e se encarregou pessoalmente de servir os convidados
(e de trazer do Chile preciosas 36 garrafas de VIK).

Idas e Vinhas

Assim que cheguei, fui recepcionada com o VIK 2010 (a mesma safra
que provamos em 2012 e que temos em casa). Muitas vezes provamos um vinho em
determinada ocasião e ficamos com uma impressão que acaba não se confirmando
nas outras vezes. Por isso estava mesmo um pouco receosa de provar novamente,
querendo preservar a experiência anterior. E o que tenho a dizer é que….o
vinho é realmente excepcional. Aos cinco anos preserva a cor viva, os aromas
intensos e os taninos redondos. Tudo indica que tem um grande potencial de
guarda.

Idas e Vinhas
Gonzague e Ana Cristina

Gonzague fez uma breve apresentação da vinícola e do projeto VIK
(que inclui um outro rótulo, o VIK A) e Julia apresentou o hotel (dedicado ao
turismo de alto luxo) e o restaurante recentemente inaugurado. Em 2012 passamos
uma noite no lodge (o hotel estava em construção) que hoje é utilizado pela
família de Alexander VIK e o que hoje é a linda bodega estava nos primeiros
estágios do projeto.

Idas e Vinhas

Ao longo da noite, passamos ao VIK 2011 (e de volta ao 2010…). Em
2012, nossa degustação foi composta por 9 taças guardavam amostras do que seria
o VIK 2011. Ou seja, tivemos o privilégio de provar os diferentes lotes que
estavam repousando nas barricas antes que os enólogos decidissem o blend do
vinho. E, bem, acertaram! É tão bom quanto a safra 2010, mantém a identidade
aromática e traz sutis diferenças: é menos amadeirado e com taninos mais
marcantes.
Vamos aos vinhos?
VIK 2010
Cabernet Sauvignon 56%, Carménère 32%, Cabernet Franc 5%, Merlot
4%, Syrah 3%.
13.9 % de álcool.
Uvas colhidas manualmente e fermentadas com leveduras nativas. A
fermentação malolática foi feita em barricas novas de carvalho francês seguida
por 23 meses de envelhecimento. Envasado em 3 de Abril de 2010.
De cor rubi muito vivo e brilhante. No nariz, impressionou pela
intensidade e persistência dos aromas florais (rosas e violetas), de frutas
negras, cassis e baunilha. Em boca, as frutas negras e a baunilha se destacam.
Encorpado, com taninos marcantes e ainda assim redondos. Final longo, intenso e
muito agradável.

Idas e Vinhas

VIK 2011
Cabernet Sauvignon 55%, Carménère 29%, Cabernet Franc 7%, Merlot
5%, Syrah 4%.
13.9 % de álcool.
Uvas colhidas manualmente e fermentadas com leveduras nativas. A
fermentação malolática foi feita em barricas novas de carvalho francês seguida
por 23 meses de envelhecimento. Envasado em 5 de Abril de 2013.
Também de cor rubi muito vivo e brilhante, o VIK 2011 tem perfil
aromático bastante similar ao 2010. A madeira aqui é mais sutil e os taninos
são ainda mais marcantes sem perder a elegância. Final longo, intenso e
muitíssimo agradável
.
Idas e Vinhas

A Wine.com.br já está comercializando tanto o VIK (R$ 590,00 para
não membros) quanto o VIK A (R$ 170,00 para não membros).
Em 2012 adquirimos o VIK 2010 na própria vinícola, e pagamos 135
dólares.
Idas e Vinhas
Rodrigo Oliveira da World Wine (ao centro), com os sócios da Porto di Vino Bernardo Larreta e Bernardo Murgel

Leia sobre a nossa viagem ao Chile: