Agenda… Semana Mesa SP 2017, de 26 a 29 de Outubro de 2017

De 26 a 29 de Outubro acontece a edição 2017 da Semana Mesa SP, realizada pela revista Prazeres da Mesa. São quatro dias de programação intensa e variada percorrendo o universo enogastronômico, incluindo fóruns, palestras, aulas, jantares, e até um empório com produtos à venda.


Alguns destaques para os enófilos: O Lançamento mundial do Pêra Manca Tinto 2012, que acontece no I Fórum Internacional de Vinhos, uma degustação vertical do ícone Almaviva, além de degustações da Altair, Salentein, e M. Chapoutier.

Lançamento mundial do Pêra-Manca Tinto 2012 


A nova safra do emblemático rótulo português será lançada durante a primeira edição do Mesa Vinhos, evento que faz parte da programação da Semana Mesa SP, antes mesmo do seu lançamento em Portugal. 

A novidade será apresentada em uma degustação guiada por Gabriela Fialho, Gerente de Exportação Conselho da Fundação Eugênio de Almeida (FEA), no I Fórum Internacional de Vinhos, que acontecerá dia 26 de outubro, durante a Semana Mesa SP. 

O que faz o evento ainda mais atrativo é o fato de que Pêra Manca é elaborado somente em anos de grandes safras – processo estabelecido desde 1990. 

Vertical Almaviva


Ainda no encontro, Michel Friou, enólogo da Almaviva, promove uma vertical de quatro safras dos rótulos da vinícola, sem dúvida um dos grandes vinhos sul americanos. 

Confira aqui o post sobre a visita que fizemos à vinícola e aqui a matéria sobre os 15 anos de lançamento do vinho em 2013 no Copacabana Palace/Rio de Janeiro.

Outros destaques

A programação do fórum também conta com uma degustação vertical de Altäir (outro grande chileno, e já escrevemos sobre ele aqui), os novos vinhos da renomada Salentein (Argentina), além dos Syrah da icônica M. Chapoutier do Rhône, na França, e da Austrália. 

Aqui cabe um parênteses – estivemos na M. Chapoutier em março, em uma visita memorável conduzida por Sara Ferreira, Diretora de Vendas para a América Latina, que apresentará a degustação no Semana Mesa. 

E não acaba por aí. Rodada de negócios, intercâmbio de informações e outras degustações exclusivas acontecem na Sala do Atos, decorada com um enorme painel de Portinari. Dias 26 e 27 de Outubro, das 15 às 21h.

Serviço
Endereço: Memorial da América Latina – Av. Auro Soares de Moura Andrade, 664
Ingressos: https://www.semanamesasp.com.br/inscric-es
Informações: https://www.semanamesasp.com.br/

Degustações Premium/ Sala Atos

26 de Outubro
Pêra – Manca
Apresentação: Gabriela Fialho
Horário: a partir das 18h30
Valor: R$350

Vertical Alma Viva
Apresentação: Michel Friou
Horário: a partir das 20 horas
Valor: R$350

27 de outubro
A influência da taça na degustação de vinhos
Apresentação: Bruna Giglio
Horário: a partir das 17 horas
Valor: R$160

Syrahs: França x Austrália 
Apresentação: Sara Ferreira
Horário: a partir das 20 horas
Valor: R$160

I Fórum de Vinhos/Mesa Ao Vivo – 26 a 28 de outubro
1 dia – R$ 55
2 dias – R$ 100
3 dias – R$ 120
*ingresso válido para programação de Mesa Vinho e Queijos do Brasil

** com informações da assessoria de imprensa do evento.

Decantar ou não decantar – eis a questão! Parte III: Syrah Rhône & Shiraz Barossa Valley

Idas e Vinhas

Na terceira e última
parte do guia sobre decantação, a edição de Janeiro de 2014 da revista
Decanter relata os efeitos de decantar três safras de um Shyrah
francês da região do Rhône e um Shiraz australiano da região de Barossa Valley.
Será que eles se beneficiaram da aeração?

Nessa
terceira etapa, os especialistas da Decanter analisaram os efeitos da aeração em
vinhos de produtores renomados e que provavelmente apresentariam sedimentos em decorrência
do longo tempo de guarda.
A Metodologia
Os tempos de aeração dos vinhos foram definidos da
seguinte forma: 4 horas, 2 horas, 1 hora e logo após a garrafa ter sido aberta.
Duas garrafas de cada vinho foram abertas em cada um dos tempos citados; uma
foi decantada e a outra não.
Todas as garrafas estavam na mesma temperatura, os
decanters eram da mesma marca e modelo e a degustação não foi às cegas pois a
proposta não era determinar qual vinho ou safra é o/a melhor.
As
três safras escolhidas pelos especialistas para os dois rótulos foram as
seguintes:
M. Chapoutier, Monierde la Sizeranne, Hermitage 2010 (jovem), 2007 (pronto para beber) e 2001 (no auge).
Henschke, Keyneton Estate Euphonium, Barossa
2010 (jovem), 2006 (pronto para beber) e 2002 (no auge).
Idas e Vinhas

Após a degustação dos
vinhos, as conclusões foram as seguintes:
1.
Syrah e Shiraz apresentam maior consistência em se tratando de diferentes
tempos de aeração, quando comparados aos Cabernet Sauvignon da primeira etapa
do estudo (leia aqui). Além disso,
suportam melhor longos tempos de aeração.
2.
No entanto, os vinhos dessa terceira etapa não se beneficiam com tempos muito
longos de aeração.
3.
As diferenças sensoriais entre os vinhos decantados e os não decantados são
pequenas, especialmente se comparados aos Cabernet Sauvignon. A decantação
favorece o nariz, mas em boca pode-se perder o frutado.
4.
Para os Syrahs do Rhône, pode ser melhor não decantar safras menos encorpadas.
5.
Os Shiraz australianos (pelo menos o que foi degustado nesse experimento)
parecem ser resistentes. Decantar ou não é apenas uma questão de escolha.
5.
Lembre-se que o vinho continuará evoluindo
enquanto estiver circulando pela mesa.
6. Como sempre, é mais arriscado decantar muito cedo que mais
tarde.
Leia
as duas primeiras partes sobre os experimentos de decantação realizados pela
revista Decanter:

Decantar ou não decantar – eis a questão!

Decantar ou não decantar – eis a questão! Parte II: vinho do Porto vintage

Leia aqui o outro post que escrevemos a respeito da decantação de vinhos.