Aconteceu… Vinho e Pizza

Idas e Vinhas

O último dia 08 de dezembro reuniu pelo menos 3 coisas que todo enófilo adora:
boa comida, excelentes vinhos e pessoas interessantes. O evento “Vinho e Pizza” de ‘Como em Casa com Idas e Vinhas®‘ foi muito bacana! Enquanto muita
gente pensa tanto em que vinho combinaria com que comida, o que pode ser tarefa
estressante, optamos por apenas seguir algumas regras básicas e deixar fluir…

Idas e Vinhas

Os deuses
do Vinho olharam por nós e a noite foi muito divertida! Afinal, como não
apreciar a combinação vinho & pizza?
Escolhemos 5 tintos, acompanhados por 4 sabores de pizza. A sequência obedeceu a
uma regra simples: do vinho menos encorpado para o mais potente, enquanto as
pizzas foram passando das mais leves para as mais substanciosas e
condimentadas.
Os vinhos
degustados fazem parte do nosso portfólio (e estão disponíveis em nosso Wine Club), e optamos por variar castas
e países: da França trouxemos um
Pinot Noir, do Chile um Cabernet
Sauvignon e um Syrah, da Itália um Nero
D’Avola e de Portugal um blend de
Touriga Nacional/Alicante Bouschet/Cabernet Sauvignon.
E o que
dizer das pizzas e do espaço “Como em
Casa
”?  Sucesso total, com direito a forno a lenha a pleno vapor para
finalizar as deliciosas pizzas Prima Farina
e o terraço decorado remetendo às cantinas italianas…

Idas e Vinhas
A Pizzaiolo Fany

E a noite seguiu assim

Os vinhos
– Domaine
Thevenet & Fils – Bussières “Les Clos” 2012 (França, Borgonha)

Firriato – Chiaramonte Nero D’Avola 2013 (Itália, Sicilia)

Ramirana – Gran Reserva Syrah Carmènére 2012 (Chile, Maipo)

Ventisquero – Grey Cabernet Sauvignon 2013 (Chile, Maipo)
– Quinta
de S. Lourenço – Galecião 2010 (Portugal, Lisboa, Estremadura)

A comida

antepastos preparados pela Fany
– pizzas
com a alta qualidade Prima Farina
(caprese, melanzane, prosciuto di Parma e calabresa)
– água,
licor e café
O top 3
Esse
talvez tenha sido o Top 3 mais
disputado que já fizemos. Teve até recontagem…e para não polemizar declaramos
‘empate técnico’ !!
1° lugar, empatados: Ramirana – Gran Reserva Syrah Carmènére 2012 e Quinta de S. Lourenço – Galecião 2010
2° lugar: Firriato
– Chiaramonte Nero D’Avola
2013

Agora
faremos uma pequena pausa para as
festas de fim de ano, mas logo em
janeiro reiniciamos
nossos encontros! Fiquem atentos e inscrevam-se sem qualquer custo em nosso Wine Club (aqui) para saberem em primeira mão todas as
novidades.
Quer
fazer um evento personalizado e
exclusivo
, está em busca de excelentes
vinhos
? Fale conosco! contato@idasevinhas.com.br
(021)
98218-0717
Tenham um
Maravilhoso Natal e que 2017 venha pródigo em conquistas, alegrias e vinhos
extraordinários!!

Vinhos do Sudoeste da França

Idas e Vinhas

Bebendo e aprendendo…
Faço parte de um grupo de degustação muito
bacana, e em cada encontro um de nós fica encarregado de apresentar
uma região vinícola e levar um rótulo que a represente. No último dia 07 de
julho foi a minha vez e falei sobre o Sudoeste da França.

Escolhi
essa região pois ela nem sempre recebe o valor que merece, já que fica ofuscada
pela estelar Bordeaux. O vinho que
levei foi o Château Mallevieille Cuvée
Imagine 2010 (Montravel)
Ainda havia mais 3 rótulos das AOC Cahors, Madiran Pacherenc du Vic-Bilh. Vale destacar que as degustações são realizadas sempre às cegas.
Localização
Conhecido
como “O canto escondido da França”, a região Sudoeste encontra-se
entre as montanhas dos Pireneus, tendo a Espanha ao Sul, a AOC Bordeaux ao norte, e a
Oeste o Oceano Atlântico.
Idas e Vinhas
Seus
limites estabeleceram-se visando mais a conveniência do que a lógica. Muitas
apelações cultivam as mesmas cepas de Bordeaux e poderiam, não fosse por um
acidente de geografia e história, ser incluídas naquela região. Um exemplo é a
apelação de Bergerac, que foi uma importante área vinícola antes do Médoc
começar a ganhar reputação. Na verdade, seu atual status de segunda classe
deve-se mais aos esforços dos comerciantes de Bordeaux em discriminá-la do que
a qualidade dos seus vinhos. Quando feitos com cuidado e habilidade competem
bem com muitos de Bordeaux bem mais caros.
Idas e Vinhas
Números
28 AOC e 13 IGP
50.000 hectares
de vinhedo
1.000 vinícolas
privadas
23
cooperativas
20
comerciantes
450
milhões de garrafas
242
milhões de garrafas de vinho branco
208
milhões de garrafas de vinhos tintos e rosés
30% AOC
45% IGP
25% dos
vinhos sem IG
As Castas
Brancas
Arrufiac
Baroque
Chenin
Blanc
Colombard
Courbu Blanc & Petit courbu
Gros
Manseng
Loin
de l’oeil
Mauzac
Ondenc
Petit
Courbu
Petit
Manseng
Picpoul
Sauvignon Blanc
Ugni Blanc

Tintas
Cabernet Franc
Cabernet-Sauvignon
Cot ou
Malbec ou Alxerrois
Duras
Fer
Servadou
Gamay
Merlot
Négrette
Prunelard
Syrah
Tannat
As apelações
28
AOC (Appellation d’Origine Contrôlée)
1.    Bergerac
2.    Brulhois
3.   
Buzet
4.   
Cahors
5.   
Coteaux
du Quercy
6.   
Côtes
de Bergerac
7.   
Côtes
de Duras
8.   
Côtes
de Millau
9.   
Côtes
du Marmandais
10.
Entraygues
le Fel
11.
Estaing
12.
Floc
de Gascogne
13.
Fronton
14.
Gaillac
15.
Irouleguy
16.
Jurançon
17.
Madiran
18.
Marcillac
19. Monbazillac
20.
Montravel
21.
Côtes
de Montravel e Haut Montravel
22. Pacherenc du Vic-Bilh
23. Pécharmant
24. Rosette
25. Saint-Mont
26. Saint-Sardos
27. Saussignac
28.
Tursan
13 IGP
1.   
Agenais
2.   
Ariège
3.   
Aveyron
4.   
Comté
Tolosan
5.   
Coteaux
de Glanes
6.   
Côtes
de Gascogne
7.   
Côtes
du Lot
8.   
Côtes
du Tarn
9.   
Gers
10.
Landes
11.
Lavilledieu
12.
Périgord
13.
Thézac-Perricard
As AOC mais conhecidas:
Madiran: uma das poucas apelações que produz tintos da
casta Tannat. Se no passado eram um tanto rústicos, hoje estão bem mais
agradáveis devido a melhores práticas de produção e o uso de outras castas
(Fer, Cabernet Franc e Cabernet Sauvignon). Costumam precisar de tempo em
garrafa para serem consumidos em sua melhor forma.
Cahors: apelação de 4200 hectares localizada a
sudeste de Bergerac. A principal uva cultivada é a Côt, ou Malbec ouAlxerrois e
algumas parcelas de Tannat. Os solos são semelhantes aos de Bordeaux (argilo calcário). Os melhores vinhedos estão localizados nos terraços às margens do Rio Lot.
Monbazillac: região de brancos elaborados com as
castas Sémillon, Sauvignon Blanc e Muscadelle. Também produzem brancos de
sobremesa botrytis.
Jurançon: vinhos brancos feitos com a Gros Manseng,
Petit Manseng e Courb. Os vinhedos estão plantados nos sopés dos Pirineus, ao
redor da cidade de Pau. Vinhos frescos e aromáticos (secos e de sobremesa).
Bergerac: Localizada ao sul de Bordeaux, os vinhedos
das 80 comunas da região localizados ao longo do rio Dordogne, o mesmo que flui
por Bordeaux, compartilham a mesma influência Atlântica no clima, embora com temperaturas
ligeiramente mais quentes.
As castas
empregadas são em sua maioria as mesmas de Bordeaux.
Montravel: região muito pequena que segue o rio
Dordogne, a oeste, até o limite entre os departamentos do Gironde e Dordogne. Os
brancos são feitos com Semillon e Sauvignon Blanc. Os tintos com Cabernet
Sauvignon, Cabernet Frac, Malbec e Merlot.
Vamos aos vinhos?
90% Malbec e 10% Tannat. 14% de álcool.
Amadurecimento em barricas novas de carvalho para 1/3 do volume e barricas de 1 e 2 anos para o restante, durante 12 a 14 meses. O engarrafamento acontece em junho e a comercialização em setembro.
Cor vermelho rubi com reflexos granada. No nariz mostrou aromas muito intensos, finos e persistentes de violeta, ameixa, cassis, amora, funcho, terra molhada, pelica e baunilha. Em boca é encorpado, destacam-se as notas de ameixa, baunilha e tabaco. Muito bom equilíbrio entre álcool, acidez e taninos e seu final de boca é muito persistente.
Nota IV: 91
Média grupo: 89,7
Idas e Vinhas
55% Merlot, 15% Malbec, 15% Cabernet Franc e 15% Cabernet Sauvignon. 13,9% de álcool.
Cor vermelho rubi com reflexos granada. Em boca apresentou boa diversidade de aromas finos, intensos e persistentes de ameixa, violeta, cassis, mirtilo, groselha, louro, funcho, anis, pimenta, couro e café. Em boca é equilibrado, encorpado, com taninos marcantes e elegantes. Final de boca e retrogosto muito persistente destacando-se as notas frutadas.
Nota IV: 88
Média grupo: 87
Idas e Vinhas
90% Tannat e 10% Cabernet Sauvignon. 14,5% de álcool. Amadurecimento durante 12 meses em barricas de carvalho 50% novas e 50% usadas.
Cor vermelho rubi. Aromas muito finos, intensos e persistentes, com notas florais de rosas, framboesa, groselha, ameixa, louro, anis e café. Em boca é harmônico, encorpado, sobressaindo as notas de frutas vermelhas e café, os taninos estão bem presentes mas não incomodam. Aroma de boca muito intenso e persistente.
Nota IV: 90
Média grupo: 88
Idas e Vinhas
90% Petit Manseng –  10% Petit Courbu. 13,5% de álcool. Fermentação seguida de afinamento de nove meses em barricas novas de carvalho francês, com bâtonnage das borras por seis meses.
Cor amarelo ouro. No exame olfativo apresentou notas muito finas, intensas e persistentes de flor de laranjeira e jasmim, manga, pêssego, damasco, tangerina, maracujá, baunilha e mel. Em boca é doce e encorpado, está redondo, com acidez viva e as notas das frutas de polpa amarela e o mel ganham amplo destaque. Seu final de boca é muito persistente com retrogosto frutado e levemente tostado.
Maravilhoso!!!
Nota IV: 95
Média grupo: 93,7
Idas e vinhas

Volta à França em 40 Vinhos… Bordeaux, AOC Médoc, Château Le Monge 2011

Idas e Vinhas

Em 27 de Março do ano
passado iniciamos a série Volta à França em 40 vinhos. Os rótulos foram selecionados do portfólio da
importadora Everest, que representamos aqui
no Rio. Depois de muitas Idas e Vinhas
pelo mundo do vinho, chegou a hora da retomada dessa incrível maratona…

E nada melhor do que
retomá-la pela mítica Bordeaux, a
região cujo estilo a maioria dos enólogos se espelha ao buscar a perfeição. O
corte bordalês (Merlot, Cabernet Franc e Cabernet Sauvignon constituem a tríade
principal, podendo ser complementadas pelas Petit Verdot, Malbec e Carmenère, em
variadas proporções) é reproduzido em praticamente todo país produtor, e não
estamos falando apenas no chamado “novo mundo” do vinho, mas de países também
tradicionais na arte de vinificar como Itália, Portugal…

Idas e Vinhas
De acordo com Amarante1,
Bordeaux pode ser dividida geograficamente em três grandes zonas:
        1.       Médoc e Graves – centrada na cidade de
Bordeaux. Essa zona é chamada de margem
esquerda
, uma vez que está localizada entre a margem esquerda do estuário
do Gironde e do rio Garonne.
       2.   
Libournais, Côtes de Bourg
e de Blaye
– centrada na cidade de Libourne. É chamada de margem direita, uma vez que está à direita do estuário do Gironde e
do rio Dordogne.
         3.   
Zona Central – situada entre os rios
Garonne e Dordogne, onde sobressai a AOC Entre-Deux-Mers.
O vinho que reabre a
Volta à França é o Château Le Monge 2011,
AOC Médoc (que abrange apenas vinhos
tintos). Bom, como o sistema de apelações francesas não pode ser chamado se
simples…o Médoc por sua vez é subdividido em apelações sub-regionais e
comunais. É no Haut-Médoc que são localizadas as estelares AOC comunais de
Saint Estéphe, Pauillac, Saint Julien, Margaux…
Os vinhos vendidos sob a
AOC Médoc vêm sobretudo da metade norte da região. Quanto ao corte, a Merlot aparece em maior proporção e é
complementada pela Cabernet Sauvignon,
menores quantidades de Cabernet Franc e pequenas porcentagens de Petit Verdot e
Malbec.
A Cave Saint Jean, produtora do Château Le Monge, faz parte de uma cooperativa de produtores do
Médoc. O cooperativismo é uma tendência da região, que congrega em sua maioria
pequenos produtores.
As videiras são plantadas
em Begadan, vila a noroeste de Bordeaux, entre o Oceano Atlântico e o estuário
do Gironde.
Vamos
ao vinho?

Château Le Monge 2011 AOC
Médoc
55% Merlot/43%Cabernet Sauvignon/2% Cabernet Franc. 13% de álcool.
20 meses de maturação, sendo 6 meses em barricas de carvalho francês.
Cor vermelho granada. No
nariz, os aromas são persistentes e muito intensos. Inicialmente sobressaem
aromas florais (rosas e violetas), e à medida que o vinho vai abrindo, revela
aromas de frutas vermelhas e negras (framboesas, cassis, amoras), café, pimenta
do reino e notas terrosas. Em boca tem corpo médio e é muito equilibrado. Os
taninos são de ótima qualidade e estão elegantemente integrados ao álcool e à
acidez. Os aromas florais e frutados são confirmados, e a pimenta do reino
adquire maior destaque. Final longo e com fundo frutado e picante. Ótimo vinho!
Nota IV: 90
Pedidos RJ: contato@idasevinhas.com.br
O
Chateau Le Monge 2011 está na campanha do Idas e Vinhas Wine Club! Acesse AQUI
e garanta o seu.


Idas e Vinhas

Fontes
consultadas para esse post:
Amarante, José Osvaldo Albano do. Os segredos do vinho para iniciantes e iniciados. Mescla Editoria.
2010.
Joseph, Robert. Vinhos
Franceses
. Zahar. 2008.

Acompanhe a Volta à França em 40 Vinhos

Idas e Vinhas® Wine Club / Campanha de 13 a 21 de Março – Portugal & França

Idas e Vinhas Wine Club

Idas e Vinhas Wine Club

Está disponível com exclusividade para os membros do Idas e Vinhas® Wine Club a campanha Portugal & França. Os vinhos, selecionados do portfólio da importadora Everest, estão prontos para serem degustados e certamente garantirão bons momentos.


Elegantes, bastante aromáticos e bem feitos, são vinhos ótimos para o dia a dia e que também guardam certa complexidade.

O Duo traz a tradicional região portuguesa do Tejo (Quinta da Alorna) de um lado e o Sudoeste da França de outro, apelação Fronton, do Château La Colombière.
Acesse AQUI o link da campanha para adquirir os seus exemplares. Tem desconto para quem levar os dois!!
Leia mais sobre os vinhos:

Quinta da Alorna Casual 2008, Tejo

Château La Colombiére – Vinum Négrette 2012, AOP Fronton

E ainda dá tempo de garantir os vinhos da campanha Duo Bordeaux & Bourgogne, também com vinhos da Everest. AQUI.
Os vinhos são:
Château Le Monge 2011 (AOC Médoc) 

Provamos e aprovamos… Domaines Latrille-Bonnin – Château Chanteloiseau 2013 – Bordeaux, Graves

Idas e Vinhas
A AC Graves se estende ao Sul da cidade
de Bordeaux, à margem esquerda do Rio Garonne. É considerada a
melhor região para a produção de brancos em Bordeaux. O solo predominante é o
cascalho (Graves, em francês). As altas taxas de drenagem e propagação do calor
favorecem a maturação das cepas brancas, resultando em vinhos de aromas sutis, estruturados
e complexos.

Idas e Vinhas
Clique para ampliar

A família Bonnin é proprietária dos
vinhedos há 6 gerações. A propriedade possui 80 hectares sendo 33 de vinhedos
cultivados com castas tintas (Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc e Merlot) e 14
de brancas (Semillon e Sauvignon Blanc), todos com 32 anos de idade.
Idas e Vinhas
Graves: Cascalho

Vamos ao vinho?
Château Chanteloiseau 2013
60% Semillon e 40%
Sauvignon Blanc. 12,3% de álcool.
Cor amarelo ouro. Com aromas intensos e
persistentes de jasmim, melão, maracujá, tangerina, camomila, mel e mineral. Em
boca apresentou médio corpo, acidez fresca e álcool equilibrado. Destaque para
a mineralidade (sal) e as notas de mel e jasmim. Final de boca muito intenso e
persistente, com fundo mineral e floral.
Nota IV: 87
Importadora: Everest 
Vendas no Rio de Janeiro: contato@idasevinhas.com.br
 

Idas e Vinhas

Provamos e aprovamos… Château Lafargue 2008 – Bordeaux, Pessac-Léognan

Idas e Vinhas
Situada ao norte de Graves, a AOC Pessac-Léognan,
em Bordeaux, engloba alguns dos melhores vinhedos do mundo. Produz
tintos aromáticos, estruturados e aveludados.

Idas e Vinhas
Clique para ampliar
O Château Lafargue pertence à mesma família há três gerações. Inicialmente possuía
apenas 2 hectares de vinhedos e o foco principal da família era o cultivo de
leguminosas. Em 1983 Jean Pierre Leymarie assumiu a propriedade
adquiriu novos vinhedos e investiu em infraestrutura. Hoje a propriedade conta
com 18,5 hectares sendo 16 para as tintas Cabernet Sauvignon, Merlot, Cabernet
Franc e Petit Verdot e 2,5 de Sauvignon Blanc e Sauvignon Gris. A média de
idade dos vinhedos é entre 20 e 25 anos.

O portfólio da vinícola é composto por apenas 3
rótulos sendo dois tintos e um branco:
Château Lafargue Prestige (produção média de 7mil
garrafas)
Château Lafargue (produção média de 120 mil
garrafas)
Château Lafargue (branco: Sauvignon Blanc e
Sauvignon Gris, produção média de 14 mil garrafas)
Vamos ao vinho?
60% Merlot, 26% Cabernet Sauvignon, 12%
Cabernet Franc, 2% Malbec e Petit Verdot. Afinamento durante 12 a 15 meses em
carvalho. 13,5% de álcool.
Cor vermelho granada. Impressionante variedade
de aromas, intensos e persistentes. Ameixa seca, uva passa, groselha, mirtilo,
cassis, cereja, morango, tabaco, baunilha, louro, madeira e rosas. Médio corpo
em boca, com boa acidez, álcool e taninos equilibrados. Confirmam-se as frutas
secas, o tabaco e a baunilha. Final de boca muito intenso e persistente, com
fundo mentolado e levemente tostado.
Vale a pena provar!!
A safra de 2011 recebeu 88 pontos na revista
Decanter. O vinho deste post (safra 2008) é o vinho da semana do nosso Wine Club.
Nota IV: 86
Importadora: Everest 
Vendas no Rio de Janeiro: contato@idasevinhas.com.br
Idas e Vinhas