Em busca do Torrontés perfeito… Domingo Molina Torrontés 2015

Idas e Vinhas



Em dezembro de 2015
viajamos à Argentina para conhecer a promissora região de Salta (extremo Norte).
Uma das vinícolas que visitamos foi a Domingo Molina, localizada ao Norte de
Yacochuya, em Cafayate, no Valle de Calchaquíes (província de Salta).

Idas e Vinhas

A Domingo Molina pertence aos
irmãos Osvaldo, Gabriel e Rafael Domingo. Conta
com 60 hectares de vinhedos localizados entre 1600 e 2300 metros de altitude
acima do nível do mar. Essa região possui microclima especial pois recebe mais
de 300 dias de sol durante o ano, praticamente não chove e a amplitude térmica oferece
excelentes condições para desenvolver plenamente o potencial das uvas por lá cultivadas.

Idas e Vinhas
Enólogo Rafael

As castas cultivadas
são:

Valle de Cafayate
10 hectares de Torrontés Riojano, a 1700 metros acima do
nível do mar e os vinhedos tem mais de 40 anos.
Valle Rupestre (55km
de Cafayate)
25 hectares a 2300 metros acima do nível, os vinhedos tem
15 anos e são cultivadas as tintas Malbec, Cabernet Sauvignon, Tannat e Merlot.
Yacochuya, Cafayate,
Salta
25 hectares a 2000 metros acima do nível do mar, vinhedos
com 30 onde cultivam Malbec, Cabernet Sauvignon, Merlot e Petit Verdot.
A nossa visita foi comandada pelo enólogo Rafael, que nos
deu uma verdadeira aula sobre a região, as características dos diversos tipos
de solo e principalmente sobre como a altitude influencia em todos os aspectos
no cultivo da videira e o resultado final dos vinhos. Durante o bate papo
tivemos a oportunidade de provar todos os rótulos da vinícola e alguns vinhos
diretamente das barricas.
O Torrontés 2015, de que se trata essa postagem, foi um dos
vinhos que trouxemos.

Idas e Vinhas

Vamos ao vinho?
Vinhedos localizados no Valle de Cafayate, Salta, entre
1650 e 1700 metros acima do nível do mar. 5% do vinho fermentou em barricas de
carvalho frances. 14% de álcool.
Cor amarelo palha de média intensidade. Com aromas bastante
finos, intensos e persistentes de rosas, lichia, maçã verde, camomila, gengibre
e notas minerais. De corpo leve, acidez fresca e álcool sobressaindo um pouco,
comprometendo o equilíbrio. Retrogosto cítrico, com toque de mel.

Em busca do Torrontés perfeito… Terrazas de Los Andes – Torrontés Reserva 2015

Idas e Vinhas

A Terrazas está localizada no distrito de Luján de Cuyo, em Mendoza, com vinhedos em Las Compuertas, Licán, Altamira e em Salta (região ao Norte da Argentina e de onde vêm as uvas para o Reserva Torrontés). 

Conheça mais sobre a vinícola aqui.

Vamos ao vinho?

Vinhedos localizados em Salta, a 1200 metros acima do nível do mar. 13,5% de álcool.
Cor verdeal. Com aromas bastante finos, intensos e persistentes de rosas, limão, manga não muito madura, capim limão e notas minerais. De corpo leve, acidez fresca e álcool equilibrado. Retrogosto com notas florais e frutas cítricas de polpa branca.
Nota IV: 87
Importadora: Moët Hennessy do Brasil Vinhos e Destilados
Idas e Vinhas

Em busca do Torrontés perfeito… Susana Balbo – Crios Torrontés 2015

Idas e Vinhas
Susana Balbo também tem a sua parcela de “culpa” em
fazer com que eu aprecie tanto essa subestimada casta. Crios foi o segundo rótulo que provei (o primeiro foi o Colomé) e isso já faz bastante tempo e
desde então acompanho as suas safras com entusiasmo. Veja aqui o que achei da
2015.


O Crios ganha um
ponto a mais por ter feito com que os meus pais dessem uma chance aos vinhos
brancos. Hoje eles também são apreciadores e acredito que já devam ter o seu preferido.

Susana Balbo tem grande reputação entre os produtores
argentinos. Em 1981 recebeu o diploma de enóloga e se tornou a primeira mulher
produtora de vinhos na Argentina. Em Salta, trabalhou
na Michel Torino e depois passou
pela Catena Zapata, em Mendoza. Foi
presidente da Wines Of Argentina de
2006 a 2010 e 2014 a 2016.
Seu projeto pessoal teve início em 1999 com a construção da
vinícola em Lujan de Cuyo, Mendoza
(ficou pronta em 2002). Desde então começou a produzir os seus próprios rótulos, dentre eles o Crios, que teve a primeira safra em 2003 e foi um dos vinhos responsáveis por apresentar o potencial da casta a outros mercados,
principalmente o americano. Desde então recebe boas criticas da mídia especializada
(a revista Wine Spectator é uma
delas).
Já escrevemos sobre a região e a uva aqui.
Vamos ao vinho?
Uvas provenientes de 70% de Cafayate (Salta) e 30% de Altamira, Valle
de Uco (Mendoza). 14% de álcool.
Cor verdeal claro. Com aromas bastante finos, intensos e
persistentes de rosas, limão, graviola, maracujá e casca de tangerina, capim
limão, alecrim e alguma nota floral. Corpo leve, acidez fresca, macio e álcool equilibrado.
Final de boca muito persistente com retrogosto de maracujá.

Continua muito bom e altamente recomendável!

Nota IV: 87
Descorchados: 91
Importadora: CANTU
Idas e Vinhas


Acompanhe a saga “Em Busca do Torrontés Perfeito” aqui:

Em busca do Torrontés perfeito… Etchart – Privado Torrontés 2014

Idas e Vinhas

Este Torrontés foi
adquirido em um supermercado de Curitiba, o que é raro. Comumente encontramos
apenas exemplares de Mendoza e com preços não muito convidativos. Leia abaixo o
que achamos dele.

Já escrevemos sobre a região e a uva aqui.
A Bodega Etchart
data do século XIX, fundada em 1850 em La Florida, província de Salta, na
Argentina. As primeiras videiras a serem plantadas foram as de Torrontés – há
quem diga que eles foram os primeiros a cultivar a casta na região – e a
primeira safra engarrafada e comercializada foi em 1963. Em 1987 Michel Rolland
começa a acessorar a vinícola e de certa forma ajuda a definir e direcionar o
estilo dos vinhos da região (elaborados com uvas com alto teor de açúcar, dando
origem a vinhos concentrados e alcoólicos). Essas características são marcantes
nos vinhos da San Pedro de Yacochuya.
Em 1996 a vinícola foi comprada pela francesa Pernod Ricard
e novos investimentos em vinhedos foram feitos, mas desta vez em Mendoza (Valle
de Uco). Hoje a vinícola possui 300 hectares e cultiva Torrontés, Chardonnay,
Malbec, Cabernet Sauvignon, Tannat, Shiraz, e Merlot.

O portfólio é dividido em três categorias Gran Reserva,
Etchart Privado e Etchart Río de Plata.

Vamos ao vinho?
Uvas provenientes do Vale de Cafayate, a 1750 metros acima
do nível do mar. 12,5% de álcool.
Cor amarelo palha de média intensidade. Com aromas finos,
intensos e persistentes de rosas, lichia, limão, pêssego e alecrim. Corpo leve,
acidez fresca, macio e álcool na medida certa. Final de boca muito persistente com
retrogosto com notas de mel.
Exemplar sem muita complexidade mas com excelente custo.
Nota IV: 84

Descorchados: 90
Preço: R$37
Idas e Vinhas
Acompanhe a saga “Em Busca do Torrontés Perfeito” aqui:

Em busca do Torrontés perfeito… Chloe – Torrontés 2014

Idas e vinhas

A Chloe pertence à gigante americana TWG – The Wine
Group
. É o segundo maior produtor de vinho do mundo em volume. A líder
e também americana é a E & J Gallo
Winery
(já escrevemos sobre ela aqui).

Infelizmente
site oficial não ajuda muito com informações sobre a vinícola e o vinho.
Vamos ao vinho?
Chloe Torrontés 2014
100% de Torrontés, da região de Cafayate, Salta. Permanece
em contato com as borras durante 6 meses, em tanques de inox.13,5% de álcool.
Cor amarelo palha claro. Com aromas bastante finos,
intensos e persistentes de flor de laranjeira, lichia, maçã verde, pera,
tangerina e camomila. De corpo leve, fresco, macio e álcool equilibrado. Final
de boca muito persistente e retrogosto com notas de maracujá.
Muito bom mas o preço não é atraente.
Nota IV: 87
Preço: R$115,50
Importadora: Decanter
Idas e Vinhas

Em busca do Torrontés perfeito… Colomé – Torrontés 2015

Idas e Vinhas

Após
alguns meses sem abrir uma garrafa de Torrontés, senti que já era hora de
retomar a série “Em busca do Torrontés perfeito”.

Fui
vasculhar as garrafas que tenho e escolhi um que gosto muito e que está entre
os primeiros colocados na lista. Inclusive foi esse produtor o
responsável por eu apreciar tanto esta casta branca: Colomé.

escrevemos sobre a vinícola aqui.
Vamos
ao vinho?
Uvas
provenientes do Vale Calchaquí, vinhedo Finca La Brava (Cafayate, a 1750 metros
acima do nível do mar). 13,5% de álcool.

Cor
amarelo palha claro. Com aromas bastante finos, intensos e persistentes de
lírios, lichia, limão, maçã verde, melão, tangerina e capim limão. De corpo
leve, fresco, macio e álcool equilibrado. Final de boca muito persistente e
retrogosto com notas florais.
Continua
muito bom e é uma excelente opção para quem está disposto a sair um pouco da
zona de conforto da Sauvignon Blanc e Chardonnay.
E a
busca persiste…
Nota
IV: 87
WS: 88
Preço:
R$82,10
Importadora:
Decanter

Idas e Vinhas