Agenda… Happy Wine Hour – Top Califórnia, 05 de julho de 2017

Idas e Vinhas

Idas e Vinhas® os convida para uma Happy Wine
Hour
exclusiva, no Restaurante Cortés
do Shopping Leblon, no próximo dia 05 de
julho de 2017
(quarta-feira).

Idas e Vinhas

O enófilo é curioso e inquieto, sempre em busca de novos
vinhos, novas experiências. Conosco não poderia ser diferente! Ao longo de 3
anos tivemos a oportunidade de conhecer mais a fundo os vinhos californianos e
ficamos muito bem impressionados. Vinhos potentes e altamente equilibrados.

Essas idas e vinhas nos inspiraram a compartilhar os
rótulos especiais que degustaremos nessa noite incrível, a TOP CALIFÓRNIA.
Degustaremos 6
vinhos de alta gama
, de nossa adega pessoal, adquiridos em
nossas idas e vindas…
Garanta já sua inscrição, pois são poucas vagas!
Os Vinhos
O espumante Jasmine Monet Black (Mendoza, Argentina) abre os trabalhos, seguido pelos vinhos:

Aubert – Lauren Chardonnay 2006 (93 pontos Wine Spectator); 
Shafer – Hillside Select 2009 (96 pontos Wine Spectator); 
Dalla Valle – Colina Dalla Valle 2010 (92 pontos Wine Spectator); 
Hourglass – Cabernet Sauvignon Blueline Vineyards 2010 (90 pontos Wine Spectator); 
Hall – Cabernet Sauvignon 2010 (90 pontos Wine Spectator) e 
Robert Mondavi – Cabernet Sauvignon – Reserve 2006 (96 pontos Wine Spectator).
Para comer
O menu, preparado especialmente para a ocasião, se inicia com um ceviche de salmão e segue com bife de Ancho ou hamburguer steak, acompanhado por queijo coalho, polenta frita e batata brava.

Água com e sem gás serão servidas à vontade e um delicioso Nespresso finalizará a festa de sabores divinos.

Serviço
Data: 05
de julho de 2017
(inscrições até o dia 03 de julho)
Local:
Restaurante Cortés do
Shopping Leblon
As boas vindas iniciam as
19h30 e por respeito aos demais participantes a degustação começará pontualmente às 20h.
Investimento
R$520,00 por pessoa
Membros do Idas e Vinhas Wine Club  tem valor diferenciado para o evento. Não é membro?
Inscreva-se aqui!
Forma de pagamento
Depósito identificado ou transferência bancária em
parcela única em conta da Caixa Econômica.
Inscrições e informações
contato@idasevinhas.com.br
*Atenção: não fazemos reserva, as inscrições são
confirmadas mediante a comprovação do pagamento.
Veja aqui
como foi a Happy Wine Hour Desafio Almaviva, também no Cortés.
Quer fazer um evento personalizado e exclusivo, está
em busca de excelentes vinhos? Fale conosco!

contato@idasevinhas.com.br


Terrazas de Los Andes

Idas e Vinhas
A vinícola Terrazas de Los Andes é marca das Bodegas
Chandon
, Argentina. Pertence à holding francesa
LVMH, especializada em artigos de luxo e a
qual surgiu com a fusão da Moët et
Chandon
e Hennessy e,
posteriormente a Louis Vuitton. Além
desse pedigree, a Terrazas é uma linha muito apreciada aqui no Brasil, o que
foi ótimo pretexto para provarmos uma série de seus rótulos. Confira!

 Idas e Vinhas
A Terrazas está localizada no distrito de Luján de Cuyo, em Mendoza, com vinhedos em Las Compuertas, Licán, Altamira e em Salta
(região ao Norte da Argentina e de onde vêm as uvas para o Reserva Torrontés). Os vinhos são elaborados
pela dupla de enólogos Adrián Meyer e Hervé Birnie-Scott.
Fundada em 1999, em uma área na qual já existiam vinhas
plantadas em 1929, seu nome tem como inspiração os ‘terraços’, uma série de
platôs aos pés dos Andes, em altitudes que vão de 600 a 1500 metros. Para
escolher as castas e serem cultivadas em cada terraço, são realizados estudos
de solo e clima para otimizar as condições para a maturação das uvas – malbec, cabernet
sauvignon, torrontés e chardonnay.
A vinícola produz além da linha Terrazas de Los Andes as linhas
Altos del Plata, Reserva, Single Vineyard e Cheval des Andes.
Mendoza / Luján de
Cuyo
Mendoza é considerada o coração do vinho argentino. E não é
sem razão: responde por 80% da produção de vinho do país e pela absoluta
maioria das exportações.
Localizada na região central de Mendoza, Luján de Cuyo engloba
as subregiões de Las Compuertas, Vistalba, Mayor Drummond, Chacras de Rora,
Carrodilla, Perdriel, Agrelo e Ugarteche). Aos pés da Cordilheira dos Andes e a
mais de 1000 metros acima do nível do mar, é, segundo especialistas, uma das
melhores regiões para o cultivo da Malbec.
Nesta altitude os vinhedos se beneficiam do amadurecimento longo e regular
devido as brisas da montanha e dos mais de 300 dias de sol durante o ano.
Idas e Vinhas

Salta, norte extremo
Em se tratando de altitude, porém, os vinhedos da região
que vai de Salta a Cafayate estão
literalmente em outro patamar! A apenas um passo do céu, não é difícil
encontrar vinhedos a incríveis 3000 metros acima do nível do mar.
E o que isso traz aos vinhos? Concentração extrema de
aromas, cores e sabores que nos encantaram na viagem que fizemos pela região no
final de 2015.
Tudo em Salta remete ao extremo: possui uma das mais altas
exposições ao Sol da América do Sul, noites frias e chuvas que são raridade. Essas
condições tornaram o Torrontés o vinho de expressão da região. Mas a
criatividade da nova geração de vinicultores vai muito além dos brancos. Blends
tintos, varietais de Tannat, tudo isso envolto por paisagens deslumbrantes.
Vamos aos vinhos?
Vinhedos localizados em Salta, a 1200 metros acima do nível
do mar. 13,5% de álcool.
Cor verdeal. Com aromas bastante finos, intensos e
persistentes de rosas, limão, manga não muito madura, capim limão e notas
minerais. De corpo leve, acidez fresca e álcool equilibrado. Retrogosto com
notas florais e frutas cítricas de polpa branca.
Entrou para a lista do “Em busca do torrontés perfeito”!
Nota IV: 87
Importadora: Moët Hennessy do Brasil Vinhos e Destilados
Idas e Vinhas

Vinhedos localizados a 1200 metros acima do nível do mar. 8
meses em carvalho francês.14% de álcool.
Cor amarelo ouro de média intensidade. Com aromas bastante
finos, muito intensos e persistentes de flor de laranjeira, compota de abacaxi,
alecrim, baunilha, coco queimado, madeira e alguma mineralidade. Médio corpo em
boca, acidez fresca e álcool em perfeito equilíbrio. Final de boca muito
intenso e persistente com fundo amadeirado e levemente tostado.
Este Chardonnay mostra o uso correto da madeira, agregando
complexidade sem tornar o vinho pesado ou enjoativo.
Nota IV: 90
Importadora: Moët Hennessy do Brasil Vinhos e Destilados
Idas e Vinhas

Vinhedos localizados a 1067 metros acima do nível do mar.
12 meses em carvalho francês (80%) e americano (20%). 14,5% de álcool.
Cor vermelho rubi profundo. Com ampla variedade de aromas
bastante finos, muito intensos e persistentes. Destaque para violeta, ameixa, cassis
e morango, além de funcho, hortelã, tabaco, baunilha e pimenta do reino. Encorpado,
com perfeito equilíbrio entre acidez, taninos e álcool. Ainda em boca, os
taninos são aveludados e de boa qualidade. As frutas negras e o frescor da
hortelã se destacam e o final é muito intenso e persistente, com fundo condimentado
(pimenta do reino) e refrescante.
Nota IV: 89
91 pontos no Descorchados 2014
Importadora: Moët Hennessy do Brasil Vinhos e Destilados
Idas e Vinhas

Reserva Syrah 2011
Vinhedos localizados a 950 metros acima do nível do mar. 12
meses em carvalho francês (80%) e americano (20%), sendo 30% novos. 14% de
álcool.
Cor vermelho rubi muito escuro. Com aromas bastante finos,
intensos e persistentes de ameixa, cassis, baunilha, pimenta do reino, café,
chocolate e madeira. Em boca é encorpado e com bom equilíbrio entre acidez,
taninos e álcool. Final de boca muito intenso e persistente, com fundo frutado
e caramelado.
Nota IV: 89
Importadora: Moët Hennessy do Brasil Vinhos e Destilados
Idas e Vinhas

Vinhedos localizados a 980 metros acima do nível do mar. 12
meses em carvalho francês. 14% de álcool.
Cor vermelho rubi. Com aromas bastante finos,
intensos e persistentes de ameixa seca, tabaco, baunilha, café, chocolate e madeira. De médio corpo para encorpado, com boa acidez,
taninos finos e a sensação de que o álcool está sobressaindo (prejudicando o equilíbrio). De final longo com retrogosto frutado e apimentado.
Nota IV: 88
WS: 86
Importadora: Moët Hennessy do Brasil Vinhos e Destilados
Idas e Vinhas

Provamos e aprovamos… William Fèvre Chacai Chardonnay 2011

Idas e Vinhas

A linha Chacai,
composta pelo Chardonnay e pelo
blend de Cabernet Sauvignon e Franc,
une-se ao The Franq Rouge para
formar a tríplice coroa dos vinhos de montanha de William Fèvre Chile.

Quando se fala em Chardonnay, quem está
familiarizado com os vales chilenos logo pensa no Valle de Casablanca. A região que antes era dedicada à pecuária,
descobriu sua vocação para a vinicultura e desde os anos 90 vem construindo
excelente reputação. O clima frio e o solo são favoráveis à Chardonnay e à
Pinot Noir.
Mas então porque William Fèvre se dedicou a fazer
esse vinho no Vale do Maipo,
conhecido pelos Cabernet Sauvignon? Bom, pelo que já conhecemos, ele gosta de
desafios. E o conhecimento que lhe rende fama pelos incríveis Chablis que porduz na Borgonha com certeza é fundamental.
Além disso, as uvas para o Chacai Chardonnay vem do Alto Maipo, de um vinhedo minúsculo em San Juan de Pirque, a cerca de 1000 metros de altitude. O clima
frio, a insolação e o solo com alta drenagem proporcionam frescor e acentuam os
aromas.
Além disso, o método de vinificação é interessante.
Segundo informações do produtor, as uvas são prensadas utilizando o método que
alguns chamam de método de “Cahampagne”, ou seja, os cachos são prensados
inteiros, com os engaços, o que proprociona estrutura em boca. Todo o suco é
fermentado em barricas de carvalho francesas, com contínua mistura do vinho com
as borras (‘batonnage’). Apenas 25% do lote passa pela fermentação malolática (que
reduz a acidez) para conferir um pouco de cremosidade ao vinho. Após 14 meses
em contato com as borras, o vinho é engarrafado e só é liberado para o mercado
após alguns meses.
Já escrevemos sobre o
produtor aqui.
Vamos ao vinho?
Chacai
Chardonnay 2011
D.O. Pirque. Vale do Maipo.
100% Chardonnay. Fermentado
em barricas de carvalho francês, onde permanece 14 meses para então envelhecer
em garrafa. 14,2% de álcool.
Cor amarelo ouro, com
reflexos dourados.
Bastante rico e intenso em
aromas. Os florais aparecem primeiro – flor de laranjeira, lírios e jasmim.
Girando a taça, abacaxi maduro, capim limão, amêndoas torradas, côco queimado,
chá de camomila e sutil amadeirado. Em boca tem ótimo corpo, é muito
equilibrado, com acidez fresca. Álcool muito bem integrado. Aromas de boca
intensos e persistentes, destacando-se os florais e o coco queimado. Final também
intenso e persistente, com agradável fundo de mel e levemente amadeirado.
Um branco gastronômico!
Ostras, peixes de carne branca, até mesmo uma bacalhoada.
Nota IV: 91. Vinho de estilo
e caráter superiores, torna especial qualquer ocasião.
Descorchados 2013: 94
Vendas no RJ: contato@idasevinhas.com.br. Pouquíssimas unidades!
Idas e Vinhas

Provamos, aprovamos e harmonizamos… William Fèvre Espino Gran Cuvée Chardonnay 2014 com robalo ensopado

Idas e Vinhas

Ontem preparamos robalo ensopado para o
almoço. Para acompanhar esse peixe de carne branca e sabor delicado escolhemos
a nova safra do Espino Gran Cuvée
Chardonnay
. Já provamos a safra 2012 (veja
aqui) e gostamos muito. A mineralidade e o frescor
desse vinho têm potencial para valorizar o robalo.

E o resultado
foi ótimo! A safra 2014 é bastante consistente com a anterior. A forma de
vinificação confere ao vinho certas características que valorizam o produto
final. A fermentação em madeira de pequena parte do mosto (apenas 10%) e depois
o amadurecimento em contato com as borras beneficiam o vinho com estrutura e
complexidade de aromas, sem perder a leveza e o frescor.
Os Gran Cuvée da linha Espino
produzidos por William Fèvre no Chile são feitos a partir de um só vinhedo
(single vineyard). As uvas para esse estruturado Chardonnay são provenientes do
vinhedo Punta Almendro, na sub-região Alto Maipo, no sopé dos
Andes e a uma altitude de quase 1000 metros. O clone utilizado veio diretamente
da propriedade na Borgonha que tornou William Fèvre famoso por seus Chablis.
O Espino
Gran Cuvée Chardonnay 2014
é um dos vinhos da campanha que lançamos hoje,
06 de agosto, no nosso Wine Club.
Acesse a campanha: Vinhos de Altitude.
Vamos ao vinho?
Espino
Gran Cuvée Chardonnay 2014
Vinhedos a 840m. D.O. Maipo Andes. Chile.
100% Chardonnay. 13,5% de álcool. 10% do
mosto é fermentado em carvalho francês e o restante em tanques de aço de 6000
litros. O vinho amadurece em contato com as borras finas entre 5 e 6 meses.
Amarelo palha com reflexos dourados. No
nariz, apresenta ampla gama de aromas intensos e persistentes, destacando-se os
florais (flor de laranjeira), frutados (abacaxi, pêssego, tangerina, melão,
grapefruit), alecrim, louro, mel, e sutil mineralidade. Harmônico em boca, com
excelente acidez e álcool integrado. Aromas muito intensos e persistentes. O
final longo, levemente tostado, com fundo de mel e abacaxi em compota e coco
queimado.
Nota IV: 91
Descorchados 2016: 94
Idas e Vinhas
Descobrimos os
vinhos produzidos no Chile por William Fèvre quando iniciamos os
contatos com Wilton Conde, da importadora Domínio Cassis. O que temos a dizer é que os vinhos
são muito bons! Muito bem feitos, têm elegância e equilíbrio. A madeira é
utilizada com parcimônia e inteligência, para preservar o frescor e a
identidade das uvas e do terroir. Leiam sobre os demais vinhos degustados:

Idas e Vinhas

William Fèvre Espino Cabernet Sauvignon 2013

William Fèvre Espino Gran Cuvée Chardonnay2012

William Fèvre Espino Gran Cuvée Cabernet Sauvignon 2011

William Fèvre Espino Pinot Noir 2013

William Fèvre Quino Blanc 2012

William Fèvre Little Quino Sauvignon Blanc 2012

William Fèvre La Misión del Clarillo Chardonnay Reserva 2013

William Fèvre La Misión del Clarillo Cabernet Sauvignon Reserva 2012

William Fèvre The Franq Rouge 2010

Provamos e aprovamos (com restrições)… espumante Santa Carolina Brut Reserve

Idas e Vinhas



Nas últimas semanas temos provado vinhos da Santa Carolina, uma das maiores (e mais tradicionais) vinícolas do Chile e com grande expressão no mercado brasileiro. Ontem abrimos o Espumante Brut Reserve e….

…embora seja bem feito, ficamos decepcionados.

As uvas cultivadas no Valle de Casablanca (um dos melhores terroirs chilenos para a Chardonnay) são colhidas manualmente e o espumante é produzido pelo método Charmat (com a segunda fermentação em tanques). Nada a reclamar quanto aos aromas, sabores e equilíbrio, mas o vinho peca justamente no que dá aos espumantes seu charme e distinção: as borbulhas.

Para chegar a tal conclusão de forma segura servimos o vinho em diferentes taças cuidadosamente limpas, mas o resultado foi o mesmo. Formação quase incipiente do perlage, após a efervescência inicial.


Vamos ao vinho?

Santa Carolina Brut Reserve
100% Chardonnay. D.O. Valle de Casablanca. Método Charmat. 13% de álcool.
Cor dourada, límpido e brilhante. Boa variedade de aromas muito agradáveis, com intensidade e persistência médias. Flor de laranjeira, camomila, chá, nozes e mel foram os que se destacaram. Em boca as sensações também são agradáveis, com boa acidez e regular cremosidade. Os aromas de boca também são bons, de mel, nozes e pão, com intensidade e persistência médias. A falha mesmo foi com relação às borbulhas, em quantidade e persistência mínimas.
Nota IV: 77 
Idas e Vinhas

Leia sobre os outros rótulos que provamos da Santa Carolina:



Santa Carolina Specialties Ocean Side Sauvignon Blanc 2014
Santa Carolina Reserva de Família Cabernet Sauvignon 2012

Lançamento Abreu Garcia: Santa Clara Cabernet Sauvignon/Merlot 2011

Idas e Vinhas

No
final de 2015 a Abreu Garcia lançou uma
nova linha: a Santa Clara. São
vinhos que já chegam ao mercado prontos para serem degustados. Bem feitos,
frescos e equilibrados, até agora são dois rótulos: Sauvignon Blanc e um blend de Cabernet
Sauvignon
e Merlot.

Merlot, Malbec, Pinot Noir, Cabernet Sauvignon, Sauvignon
Blanc e Chardonnay são as principais castas plantadas pela Abreu Garcia em sua propriedade em Campo Belo do Sul, no Planalto Catarinense.
O terroir e a altitude (os vinhedos ficam a 950m acima
do nível do mar) favorecem a produção de espumantes e a de vinhos tranquilos
equilibrados, com teores de álcool bem moderados (média 12,5%) e acidez
marcante. Já escrevemos mais detalhadamente sobre o produtor AQUI
e ao final do texto vocês podem acessar os links
para os demais vinhos que provamos.
Neste post apresentamos o Cabernet Sauvignon/Merlot 2011. Para a elaboração do vinho, a
seleção dos cachos começa já no vinhedo, e os lotes de Cabernet Sauvignon e a
Merlot são vinificadas separadamente.
Vamos ao vinho?
Santa
Clara Cabernet Sauvignon/Merlot 2011
60% Cabernet Sauvignon e 40% Merlot. 12,58 % de álcool.
Colheita manual. Estagia 12 meses em barricas de carvalho francês de 2º e 3º
usos.
Cor vermelho granada. No nariz, boa variedade de
aromas, tanto frescos como de evolução, o que confere certa complexidade muito
interessante a esse blend.
Destacam-se os aromas florais (violetas), de frutos do bosque (cassis), pimenta
do reino, café e notas defumadas. Em boca, os aromas mais marcantes são de
licor de cassis e defumado. Taninos marcantes de muito boa qualidade, em
equilíbrio com o álcool e a acidez. Final persistente e de média intensidade,
com fundo mentolado e de especiarias. Pronto para beber. Excelente
custo/benefício!
Nota
IV: 87.
Muito bom, com características especiais.
Pedidos
no Rio de Janeiro: contato@idasevinhas.com.br
Idas e Vinhas

O Santa Clara Cabernet
Sauvignon/Merlot 2011
está em nosso Wine Club, com
condições especiais para os associados. Acesse aqui a campanha: Duo AG Santa Clara
Ainda
não é membro do Idas e Vinhas Wine Club? Inscreva-se AQUI. É gratuito!
Conheça
os demais vinhos Abreu Garcia que provamos:

Lançamento Abreu Garcia: Santa Clara Sauvignon Blanc 2014

Idas e Vinhas

Merlot, Malbec, Pinot Noir, Cabernet Sauvignon,
Sauvignon Blanc e Chardonnay são as principais castas plantadas pela Abreu Garcia em sua propriedade em
Campo Belo do Sul, no Planalto
Catarinense
.

O terroir e a altitude (os vinhedos ficam a 950 m
acima do nível do mar) favorecem a produção de espumantes e a de vinhos
tranquilos equilibrados, com teores de álcool bem moderados (média 12,5%) e
acidez marcante. Já escrevemos mais detalhadamente sobre o produtor AQUI
e ao final desse post vocês podem acessar os links para os demais vinhos que
provamos.
Hoje falamos da nova linha que a Abreu Garcia lançou no final de 2015, a Santa Clara. São vinhos que já chegam ao mercado prontos para serem
degustados. Bem feitos, frescos e equilibrados, até agora são dois rótulos: Sauvignon Blanc e um blend de Cabernet Sauvignon e Merlot.
Neste post apresentamos o Sauvignon Blanc 2014. Usualmente, os Sauvignon Blanc que estamos
mais acostumados (os chilenos) podem apresentar notas muito marcantes de
maracujá e abacaxi. Não é isso que ocorre com o Santa Clara. É um vinho mais
refrescante, com outra gama aromática, e do qual foram produzidas apenas 7800
garrafas (numeradas).
Vamos ao vinho?
Santa
Clara Sauvignon Blanc 2014
100% Sauvignon Blanc. 12% de álcool. Colheita manual.
Permanece 14 meses em contato com as borras.
Cor amarelo palha. No nariz, os aromas são finos e
refrescantes. Os florais e cítricos aparecem primeiro: flor de laranjeira, lima
da pérsia e grapefruit (toranja). O abacaxi fresco e maduro aparece com muita
delicadeza, e o tomilho torna o vinho ainda mais interessante. Em boca, os
aromas que se destacam são os florais e cítricos. De corpo leve, boa acidez,
álcool bem integrado. Equilibrado e elegante, o final bem intenso e de boa
persistência é refrescante, com fundo floral. Para ser bebido jovem. Excelente
custo/benefício!
Nota
IV
: 86. Muito bom, com características especiais.
Pedidos
no Rio de Janeiro: contato@idasevinhas.com.br
Idas e Vinhas

O
Santa Clara Sauvignon Blanc 2014 está em nosso Wine Club, com condições especiais
para os associados. Acesse aqui a campanha: Duo AG Santa Clara
Ainda
não é membro do Idas e Vinhas Wine Club? Inscreva-se AQUI. É gratuito!
Conheça
os demais vinhos Abreu Garcia que provamos:

Aconteceu… Idas e Vinhas na Bardot – Vinhos e Artes – vinícola Emiliana

Idas e Vinhas

No último sábado, 02 de Abril de 2016, voltamos
à Bardot – Vinhos e Artes
para conduzir uma degustação muito legal! Nosso amigo Abel Mendes (Casa Flora)
sabe escolher bem não só os temas mas também a sequência dos vinhos, o que
torna seus convites sempre irrecusáveis.

Idas e Vinhas
Da esquerda para a direita: Alexandre, Ana Cristina e Abel
A degustação foi especial por dois motivos:
tratam-se de vinhos orgânicos e biodinâmicos* e que são
produzidos pela excelente vinícola Emiliana,
sediada no Valle de Casablanca, Chile.
Uma das etapas da nossa Maratona enológica pelo Chile em 2012 foi justamente a Emiliana. Ficamos muito
impressionados com toda a estrutura da vinícola e o cuidado com que nos
receberam. Foram quase 4 horas de visita, onde pudemos aprender mais ainda
sobre as práticas agrícolas biodinâmicas. Tais práticas (que conferimos também
na Matetic
e na Antiyal)
fazem parte de uma filosofia maior – a Antroposofia – cujo patriarca foi
o austríaco Rudolf Steiner (1861 – 1925).
De acordo com Steiner, o homem deve desenvolver
seu espírito, afastando-se do excesso de materialismo tornando-se uno com a
Natureza. Daí o emprego de técnicas agrícolas que fortaleçam uma “relação
espiritual–ética com o solo, com as plantas e os animais e com os coirmãos
humanos.” Saiba mais sobre a Agricultura Biodinâmica aqui.
Além do enfoque de serem vinhos naturais, a
Emiliana produz vinhos de excelente qualidade.
Em tarde de casa cheia e animada, apresentamos
6 rótulos das linhas reserva e Gran Reserva Adobe e Novas,
respectivamente.
Idas e Vinhas

Adobe Reserva Chardonnay 2014 – Valle de
Casablanca
Adobe Reserva Pinot Noir 2014 – Valle de
Colchagua
Adobe Reserva Carmenére 2014 – Valle de
Colchagua
Adobe Reserva Merlot 2014 – Valle de Rapel
Novas Gran Reserva Pinot Noir 2014 – Valle de
Casablanca
Novas Gran Reserva Cabernet/Merlot 2013 – Valle
do Maipo
Idas e Vinhas
Foi um empolgante passeio rico em castas e
também regiões chilenas. A Emiliana tem mais de 700 hectares de vinhedos
espalhados pelo Chile, com o cuidado de plantar as uvas que produzem melhores
resultados em cada Vale.
Escolher o melhor vinho foi tarefa difícil!
Toda a seleção foi muito apreciada. Quanto aos destaques, todos concordaram que
o Chardonnay (com 5% do lote passando em madeira) é de altíssima
qualidade. Passando-se aos tintos, o Adobe Reserva Merlot e o Novas
Gran Reserva Cabernet/Merlot
foram aclamados.
Agradecemos a todos os presentes que entraram
no clima da tarde leve e descontraída, e novamente ao Abel e à sempre gentil
equipe da Bardot
pela oportunidade. Que venham as próximas!
Idas e Vinhas

*Leia aqui
sobre uma degustação sobre vinhos orgânicos e biodinâmicos que conduzimos, e
onde apresentamos um dos vinhos ícones da Emiliana, o Coyam.

Os vinhos apresentados você encontra na Bardot Vinhos e Artes.

Idas e Vinhas® Wine Club / Semana 21 a 28 de Fevereiro – Duo William Fèvre

Acabamos de lançar a campanha da semana 21 a 18 de Fevereiro do Idas e Vinhas® Wine Club! Nossa seleção é um Duo da linha Espino, de William Fèvre.


Já escrevemos sobre o produtor aqui.

Os vinhos escolhidos são equilibrados e elegantes. O Chardonnay Gran Cuvée recebeu 93 pontos do guia Descorchados, e o Pinot Noir é delicado e aromático. 
Acesse AQUI o link da campanha para adquirir os seus exemplares. Tem desconto de 10% para quem levar os dois!!
Leia mais sobre os vinhos:
E ainda dá tempo de garantir os vinhos da campanha do mês – Joias do PiemonteAQUI.
Os vinhos são:
Idas e Vinhas
Ainda não é membro do Wine Club? Inscreva-se gratuitamente AQUI.
Sendo membro do Wine Club, além de ter acesso a ofertas exclusivas, recebe descontos em nossas degustações e eventos.

Provamos e aprovamos… William Fèvre Espino Pinot Noir 2013

Idas e Vinhas

As videiras que produzem as uvas Pinot Noir
para o Espino estão localizadas em uma aldeia em San Juan de Pirque, na
região mais alta do Alto Maipo. Os vinhedos ficam em terraços a
aproximadamente mil metros acima do nível do mar.

A linha Espino, assim chamada em
referência às urtigas e espinhos presentes ao redor e entre as videiras, busca
preservar no vinho o caráter frutado mesmo que passe em barris de carvalho. Aliás,
essa é uma característica que chama a atenção nos vinhos de Fèvre: a madeira é empregada
com sutileza e habilidade.
O Espino Pinot Noir é um vinho elegante
e delicado. Segundo o produtor, é um vinho “feito à mão”. As uvas são maceradas
e fermentadas em tanques abertos de 8000 litros, e pequena parcela do vinho
estagia em carvalho francês por 4 meses.
Conheça mais sobre o produtor aqui.
Vamos ao vinho?
Espino Pinot Noir 2013
100% Pinot Noir, parte do vinho foi amadurecido
em barricas francesas de 225 litros. 13,4% de álcool. Produção de 15.894
garrafas.
Cor vermelho granada de média intensidade. No
nariz apresentou aromas intensos e persistentes de flores (rosas), frutas
vermelhas maduras como morango, cereja e framboesa e um frescor que lembra
menta. Em boca é equilibrado, com excelente acidez, taninos macios e álcool na
medida certa. As frutas vermelhas são confirmadas e a madeira aparece de forma
sutil agregando complexidade ao vinho. Final de boa intensidade e persistência
com retrogosto frutado, refrescante e levemente amadeirado.
Nota IV: 86
Pedidos RJ: contato@idasevinhas.com.br