Notícias da enosfera… Vinicultores franceses enfrentam a pior geada em 25 anos

Idas e Vinhas

Produtores relatam
danos generalizados em Bordeaux, Borgonha e Champagne, com alguns perdendo toda
a safra de 2017.

 Idas e Vinhas
A última semana de abril está sendo dramática. Os vinhedos das regiões de Bordeaux, Borgonha e Champagne foram severamente castigados pelas
consecutivas noites de geada, sendo a pior a que aconteceu hoje (28/04/17). Somente os
vinhedos localizados nas encostas e platos se salvaram. Segundo os produtores, essa foi a pior geada desde 1991.
Nessa época do ano, na Europa, as videiras estão muito vulneráveis. É quando começam a liberar os seus primeiros brotos. Estão
despertando do estado de dormência. 
Idas e Vinhas

Segundo Xavier
Couman
, presidente do sindicato de vinhos e destilados de Bordeaux,
estima-se que praticamente 50% da safra de 2017 foi perdida.
Em Bordeaux, Pomerol e Saint-Emilion (margem direita) foram as regiões mais afetadas. Pessac-Léognan, Graves e parte do Médoc (margem
esquerda) foram poupadas.
Já na Borgonha
os produtores de Chablis fizeram o
que estava ao seu alcance para tentar amenizar os estragos da geada. Acender fogueiras
(conhecidas como velas) entre as parcelas de vinhedos foi a opção mais comum e
que trouxe os melhores resultados. As comunas mais atingidas foram Maligny, Lignorelles e Ligny-Le-Chatel
e algumas partes de Beines e Courgis.

Em Champagne, a estratégia foi pulverizar água nas vinhas quando a temperatura caiu o suficiente
para criar uma camada protetora de gelo, isolando os brotos vulneráveis da
planta.
Idas e Vinhas

Enquanto os produtores de Champagne ainda avaliam a
extensão dos danos em seus 81 mil hectares de vinhedos, o grupo de comércio
local CIVC
(Comité Interprofessionnel du Vin de Champagne) estima que 25% da safra foi
comprometida.
Embora seja muito cedo para relatórios oficiais, ainda levará
tempo para avaliar e contabilizar os danos.
*Fonte: Wine Spectator

Aconteceu… Happy Wine Hour Desafio Almaviva

Idas e Vinhas

A Happy Wine Hour – Desafio Almaviva que aconteceu dia 05 de Abril foi um sucesso! Estávamos com muita expectativa para saber como os participantes reagiriam à sequência de vinhos que selecionamos e, ainda, se adivinhariam qual deles era o Almaviva 2005

Idas e Vinhas

E o resultado foi excelente. Os participantes interagiram bastante, apreciaram os vinhos e o menu especialmente preparado pela atenciosa e eficiente equipe do restaurante Cortés, no Shopping Leblon.
Idas e Vinhas
Idas e Vinhas
Idas e Vinhas
Idas e Vinhas
Idas e Vinhas
Para fazer frente ao mítico Almaviva 2005, os demais rótulos também teriam que ser excelentes, além de ter a composição, safra e equilíbrios adequados para que os participantes pudessem comparar os vinhos. Ah, detalhe: a degustação foi às cegas!

Idas e Vinhas
Ainda do Chile havia dois vinhos de vinícolas boutiques de destaque na crítica especializada: Altaïr e Andes Plateau
Degustamos o Altaïr em nossa visita ao Chile em 2012 e ficamos muito impressionados. Já o Andes Plateau 700+ é um projeto de produção super limitada do enólogo Felipe Uribe que mostra como os vinhos de altitude chilenos alcançam qualidade, sabor e equilíbrio. Saiba um pouco mais sobre o Andes Plateau aqui.
Da Argentina, Catena Zapata Estiba Reservada 2007. Produzidos apenas em anos cuja colheita tenha sido considerada excelente, os Estiba Reservada vêm sendo cada vez mais cobiçados.
Almaviva é fruto da união da gigante Concha Y Toro com a prestigiada casa francesa Baron de Rothschild. Raízes chilenas e alma francesa, é o que dizem desse vinho que adquiriu fama internacional. Sendo assim, não poderiam faltar em nossa seleção rótulos do velho continente! E assim escolhemos nada menos que dois Bordeaux! E são ambos “crus”: o Chateau Jean Voisin é um “grand cru” da sub-região Fagouet e o Grand Puy Ducasse é um “cru classé” da estelar appellation Pauillac.
Os vinhos
Abreu Garcia – Brut Rosé 2015 (Brasil)
Viña Almaviva – Almaviva
2005 (Chile) – 95 pontos na Wine
Spectator
Catena
Zapata – Estiba Reservada 2007 (Argentina) – 90 pontos na Wine Spectator
Bodega Altaïr –
Altaïr 2007 (Chile)
Chateau Jean
Voisin Fagouet Grand Cru 2011 (França)
Andes
Plateau – 700+ 2013 (Chile) – 94 pontos no guia
Descorchados
Chateau
Grand Puy Ducasse 2002 (França) – 89
pontos na Wine Spectator
Idas e Vinhas

Mas será que o Almaviva foi o melhor vinho da noite? 
A safra 2005 do Almaviva é realmente excelente e o vinho se destacou. Mas o desafio foi difícil!! O Estiba Reservada 2007 se mostrou estar no auge, e para complicar ainda mais, o grand cru bordalês Grand Puy Ducasse 2002 demonstrou juventude e frescor, acirrando a disputa.
O Top 3 ficou assim:
1º Catena Zapata – Estiba Reservada 2007
2º Viña Almaviva – Almaviva 2005 e Chateau Grand Puy Ducasse 2002
3º Viña Altaïr – Altaïr 2007 (Chile)
No final, quem ganhou fomos todos nós! Os participantes foram incríveis e o serviço do restaurante Cortés estava impecável.
Idas e Vinhas
Obrigado a todos, e até a próxima Happy Wine Hour com Idas e Vinhas!
Quer fazer um evento personalizado e exclusivo, está em busca de excelentes vinhos? Fale conosco! contato@idasevinhas.com.br
Leia mais sobre alguns vinhos da noite:

Celebração da 15ª Safra de Almaviva – Rio de Janeiro, 08 de Outubro de 2013 aqui.

Visitamos a Bodega Altaïr aqui.
Visitamos a Almaviva aqui.

Inscrições abertas… Happy Wine Hour especial – Desafio Almaviva, 05 de abril de 2017

Idas e Vinhas

Idas
e Vinhas®
os convida para
uma Happy Wine
Hour
especial, no Restaurante Cortés
do Shopping Leblon, no próximo dia 05 de
abril de 2017
(quarta-feira).


A Happy Wine
Hour
é uma das nossas Wine Experiences preferidas e vai alcançar um novo
patamar nessa degustação sublime: Desafio
Almaviva
.
Em
nossas idas e vindas pelo mundo, tivemos oportunidade de provar vinhos
magníficos em lugares incríveis. E não há nada melhor para um enófilo do que
partilhar essa experiência. É uma das nossas maiores motivações!
Por
isso a seleção dos vinhos dessa noite única foi uma tarefa empolgante. Para
fazer frente ao mítico Almaviva 2005, os demais rótulos também teriam que ser
excelentes, além de ter a composição, safra e equilíbrios adequados para que a
degustação flua de forma harmoniosa.
E
assim foi feito!!
Ainda
do Chile traremos dois vinhos de vinícolas boutiques que vêm obtendo destaque na
crítica especializada e ganhando mercado: Altair e Andes Plateau.
Degustamos
o Altaïr em nossa visita ao Chile em
2012 (veja aqui)
e ficamos muito impressionados. Já o Andes
Plateau 700+
é um projeto de produção super limitada do enólogo Felipe Uribe que mostra como os vinhos
de altitude chilenos alcançam qualidade, sabor e equilíbrio.
Da
Argentina, trazemos o Catena Zapata
Estiba Reservada 2007
. Produzidos apenas em anos cuja colheita tenha sido
considerada excelente, os Estiba Reservada vêm sendo cada vez mais cobiçados.
O Almaviva é fruto da união da gigante Concha Y Toro com a prestigiada casa
francesa Baron de Rothschild.
Raízes chilenas e alma francesa, é o que dizem desse vinho que adquiriu fama
internacional. Sendo assim, não poderiam faltar em nossa seleção rótulos do
velho continente! E assim escolhemos nada menos que dois Bordeaux! E são ambos “crus”:
o Chateau Jean Voisin é um “grand cru” da sub-região Fagouet e o Grand Puy Ducasse é um “cru classé
da estelar appellation Pauillac.
Veja
aqui
o evento da Almaviva que participamos e pudemos provar a safra 2005 entre
outras.
Espumante
de boas-vindas e um menu delicioso completam a Wine Experience.
Garanta
já sua inscrição, pois são poucas vagas!
O Espumante
Abreu
Garcia Brut Rosé 2015 (Brasil)

Os Vinhos
Almaviva
2005 (Chile) – 95 pontos na Wine
Spectator
Catena
Zapata – Estiba Reservada 2007 (Argentina) – 90 pontos na Wine Spectator
Viña Altaïr –
Altaïr 2007 (Chile)
Chateau Jean
Voisin Grand Cru 2011 (França – Fagouet)
Andes
Plateau 700+ 2013 (Chile) – 94 pontos no guia
Descorchados
Chateau
Grand Puy Ducasse 2002 (França – Pauillac) – 89 pontos
na Wine Spectator
Para comer
Menu
especialmente preparado para a ocasião:
ceviche
de salmão
assado
de tira bovino
queijo
coalho
polenta
frita
batata
brava
água
com e sem gás
café
Nespresso
Serviço
Data:
05 de abril de 2017 (inscrições até o dia 04 de abril)
Local:
Restaurante Cortés do Shopping Leblon
As boas vindas aos participantes iniciam as 19h30 e a degustação começa
pontualmente as 20h.
Investimento
R$350,00
por pessoa
Membros
do Idas e Vinhas Wine Club: R$320,00. Não é membro? Increva-se aqui!
Forma de pagamento
Depósito
identificado ou transferência bancária em parcela única em conta da Caixa
Econômica.
Inscrições e informações
contato@idasevinhas.com.br
*Atenção:
não fazemos reserva, as inscrições são confirmadas mediante a comprovação do
pagamento.

Abaixo
está a arte da divulgação (clique para ampliar).
Idas e Vinhas

Volta à França em 40 Vinhos… Bordeaux, AOC Médoc, Château Le Monge 2011

Idas e Vinhas

Em 27 de Março do ano
passado iniciamos a série Volta à França em 40 vinhos. Os rótulos foram selecionados do portfólio da
importadora Everest, que representamos aqui
no Rio. Depois de muitas Idas e Vinhas
pelo mundo do vinho, chegou a hora da retomada dessa incrível maratona…

E nada melhor do que
retomá-la pela mítica Bordeaux, a
região cujo estilo a maioria dos enólogos se espelha ao buscar a perfeição. O
corte bordalês (Merlot, Cabernet Franc e Cabernet Sauvignon constituem a tríade
principal, podendo ser complementadas pelas Petit Verdot, Malbec e Carmenère, em
variadas proporções) é reproduzido em praticamente todo país produtor, e não
estamos falando apenas no chamado “novo mundo” do vinho, mas de países também
tradicionais na arte de vinificar como Itália, Portugal…

Idas e Vinhas
De acordo com Amarante1,
Bordeaux pode ser dividida geograficamente em três grandes zonas:
        1.       Médoc e Graves – centrada na cidade de
Bordeaux. Essa zona é chamada de margem
esquerda
, uma vez que está localizada entre a margem esquerda do estuário
do Gironde e do rio Garonne.
       2.   
Libournais, Côtes de Bourg
e de Blaye
– centrada na cidade de Libourne. É chamada de margem direita, uma vez que está à direita do estuário do Gironde e
do rio Dordogne.
         3.   
Zona Central – situada entre os rios
Garonne e Dordogne, onde sobressai a AOC Entre-Deux-Mers.
O vinho que reabre a
Volta à França é o Château Le Monge 2011,
AOC Médoc (que abrange apenas vinhos
tintos). Bom, como o sistema de apelações francesas não pode ser chamado se
simples…o Médoc por sua vez é subdividido em apelações sub-regionais e
comunais. É no Haut-Médoc que são localizadas as estelares AOC comunais de
Saint Estéphe, Pauillac, Saint Julien, Margaux…
Os vinhos vendidos sob a
AOC Médoc vêm sobretudo da metade norte da região. Quanto ao corte, a Merlot aparece em maior proporção e é
complementada pela Cabernet Sauvignon,
menores quantidades de Cabernet Franc e pequenas porcentagens de Petit Verdot e
Malbec.
A Cave Saint Jean, produtora do Château Le Monge, faz parte de uma cooperativa de produtores do
Médoc. O cooperativismo é uma tendência da região, que congrega em sua maioria
pequenos produtores.
As videiras são plantadas
em Begadan, vila a noroeste de Bordeaux, entre o Oceano Atlântico e o estuário
do Gironde.
Vamos
ao vinho?

Château Le Monge 2011 AOC
Médoc
55% Merlot/43%Cabernet Sauvignon/2% Cabernet Franc. 13% de álcool.
20 meses de maturação, sendo 6 meses em barricas de carvalho francês.
Cor vermelho granada. No
nariz, os aromas são persistentes e muito intensos. Inicialmente sobressaem
aromas florais (rosas e violetas), e à medida que o vinho vai abrindo, revela
aromas de frutas vermelhas e negras (framboesas, cassis, amoras), café, pimenta
do reino e notas terrosas. Em boca tem corpo médio e é muito equilibrado. Os
taninos são de ótima qualidade e estão elegantemente integrados ao álcool e à
acidez. Os aromas florais e frutados são confirmados, e a pimenta do reino
adquire maior destaque. Final longo e com fundo frutado e picante. Ótimo vinho!
Nota IV: 90
Pedidos RJ: contato@idasevinhas.com.br
O
Chateau Le Monge 2011 está na campanha do Idas e Vinhas Wine Club! Acesse AQUI
e garanta o seu.


Idas e Vinhas

Fontes
consultadas para esse post:
Amarante, José Osvaldo Albano do. Os segredos do vinho para iniciantes e iniciados. Mescla Editoria.
2010.
Joseph, Robert. Vinhos
Franceses
. Zahar. 2008.

Acompanhe a Volta à França em 40 Vinhos

A Safra e o Vinho – Bordeaux de 2000 a 2013

Idas e Vinhas

Muitos enófilos se perguntam qual o significado
da indicação da safra nos rótulos. Que tipo de informação relevante ela traz?

Sendo a uva uma planta de ciclo vegetativo
anual, a influência do clima ao longo das diferentes fases é crucial para o
vinho resultante.

Em vinhos como o Porto e o Champagne, o direito
de estampar o ano da safra só é conferido em anos considerados excepcionais
pelas autoridades reguladoras.

Para os colecionadores, adquirir uma safra de
determinado Bordeaux pode significar o ganho de milhares de dólares em uma
venda futura caso tal safra tenha sido considerada de alta qualidade. E perda,
em caso contrário.
Para o consumidor médio, no entanto, a
indicação da safra não deixa de ser útil. Uma boa safra em determinado país
pode tornar mais fácil escolher um vinho nas prateleiras.
A revista inglesa Decanter, em edição especial
de Julho de 2015, publicou o ranking de qualidade das safras do século (2000 a
2013) para as principais regiões de Bordeaux.
 Médoc & Graves
Idas e Vinhas
Clique para ampliar
St-Emilion & Pomerol

Idas e Vinhas
Clique para ampliar

Sauternes & Barsac

Idas e Vinhas
Clique para ampliar

Provamos e aprovamos… Domaines Latrille-Bonnin – Château Chanteloiseau 2013 – Bordeaux, Graves

Idas e Vinhas
A AC Graves se estende ao Sul da cidade
de Bordeaux, à margem esquerda do Rio Garonne. É considerada a
melhor região para a produção de brancos em Bordeaux. O solo predominante é o
cascalho (Graves, em francês). As altas taxas de drenagem e propagação do calor
favorecem a maturação das cepas brancas, resultando em vinhos de aromas sutis, estruturados
e complexos.

Idas e Vinhas
Clique para ampliar

A família Bonnin é proprietária dos
vinhedos há 6 gerações. A propriedade possui 80 hectares sendo 33 de vinhedos
cultivados com castas tintas (Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc e Merlot) e 14
de brancas (Semillon e Sauvignon Blanc), todos com 32 anos de idade.
Idas e Vinhas
Graves: Cascalho

Vamos ao vinho?
Château Chanteloiseau 2013
60% Semillon e 40%
Sauvignon Blanc. 12,3% de álcool.
Cor amarelo ouro. Com aromas intensos e
persistentes de jasmim, melão, maracujá, tangerina, camomila, mel e mineral. Em
boca apresentou médio corpo, acidez fresca e álcool equilibrado. Destaque para
a mineralidade (sal) e as notas de mel e jasmim. Final de boca muito intenso e
persistente, com fundo mineral e floral.
Nota IV: 87
Importadora: Everest 
Vendas no Rio de Janeiro: contato@idasevinhas.com.br
 

Idas e Vinhas

Provamos e aprovamos… Château Lafargue 2008 – Bordeaux, Pessac-Léognan

Idas e Vinhas
Situada ao norte de Graves, a AOC Pessac-Léognan,
em Bordeaux, engloba alguns dos melhores vinhedos do mundo. Produz
tintos aromáticos, estruturados e aveludados.

Idas e Vinhas
Clique para ampliar
O Château Lafargue pertence à mesma família há três gerações. Inicialmente possuía
apenas 2 hectares de vinhedos e o foco principal da família era o cultivo de
leguminosas. Em 1983 Jean Pierre Leymarie assumiu a propriedade
adquiriu novos vinhedos e investiu em infraestrutura. Hoje a propriedade conta
com 18,5 hectares sendo 16 para as tintas Cabernet Sauvignon, Merlot, Cabernet
Franc e Petit Verdot e 2,5 de Sauvignon Blanc e Sauvignon Gris. A média de
idade dos vinhedos é entre 20 e 25 anos.

O portfólio da vinícola é composto por apenas 3
rótulos sendo dois tintos e um branco:
Château Lafargue Prestige (produção média de 7mil
garrafas)
Château Lafargue (produção média de 120 mil
garrafas)
Château Lafargue (branco: Sauvignon Blanc e
Sauvignon Gris, produção média de 14 mil garrafas)
Vamos ao vinho?
60% Merlot, 26% Cabernet Sauvignon, 12%
Cabernet Franc, 2% Malbec e Petit Verdot. Afinamento durante 12 a 15 meses em
carvalho. 13,5% de álcool.
Cor vermelho granada. Impressionante variedade
de aromas, intensos e persistentes. Ameixa seca, uva passa, groselha, mirtilo,
cassis, cereja, morango, tabaco, baunilha, louro, madeira e rosas. Médio corpo
em boca, com boa acidez, álcool e taninos equilibrados. Confirmam-se as frutas
secas, o tabaco e a baunilha. Final de boca muito intenso e persistente, com
fundo mentolado e levemente tostado.
Vale a pena provar!!
A safra de 2011 recebeu 88 pontos na revista
Decanter. O vinho deste post (safra 2008) é o vinho da semana do nosso Wine Club.
Nota IV: 86
Importadora: Everest 
Vendas no Rio de Janeiro: contato@idasevinhas.com.br
Idas e Vinhas

Aconteceu… Degustação Casa Flora – Borgonha x Bordeaux

Idas e Vinhas

A noite da última quarta-feira,
29 de Julho, na Casa Flora
foi dedicada a um desafio clássico em se tratando de degustações: Borgonha x
Bordeaux
. Uma das (muitas) coisas boas em se tratando de vinho é que nesses
desafios todos ganham.

 Idas e Vinhas
E quando falamos então de
Borgonha e Bordeaux, a gama de excelentes produtores é tão grande que as
possibilidades de interessantes comparações são vastíssimas.
Borgonha e Bordeaux, símbolos daquilo
que torna a França a maior personificação do modelo do que se consideraria a “perfeição
vínica”, encenam complexo embate porque os vinhos são distintos na essência.
De um lado a Borgonha com sublimes
varietais – brancos de Chardonnay e tintos de Pinot Noir (com
licença para a Gammay em algumas AOC) – que exibem equilíbrio, elegância
e frescor.
De outro, vem Bordeaux, cujo
famoso “corte bordalês” é a receita mais copiada ao longo das fronteiras
vitivinícolas mundo afora. Estrutura, complexidade e longevidade é o que trazem
a Cabernet Sauvignon, Cabernet Franc e Merlot (as castas
mais empregadas) a esses vinhos.
Idas e Vinhas

A seleção de vinhos feita por Abel Mendes contemplou alguns
dos melhores rótulos de cada região que fazem parte do portfólio da Casa
Flora
.
Ao longo da
degustação, antepastos e risoto de gorgonzola preparado com esmero pela chef Vilma.
Idas e Vinhas
Vamos à sequência?
1.    Clos Floridene Graves Blanc 2011
Bordeaux. 51% Semillon, 47% Sauvignon
Blanc, 2% Muscadelle. 12,5% de álcool.
Idas e Vinhas

2.   
Chauvot-Labaume Pouilly
Fuissé Les Clos 2012
Bourgogne. Chardonnay. 13% de
álcool.
Idas e Vinhas

3.   
Abel Pinchard Beaujolais
Villages Rouge 2011
Borgonha. Gamay. 12,5% de álcool.
Idas e Vinhas

4.   
Chauvot-Labaume Mercurey
Premier Cru Clos L´Eveque 2012
Borgonha.
Pinot Noir. 13% de álcool.
Idas e Vinhas

5.   
Domaine du Préau Côte de
Nuits Villages 2012
Borgonha.
Pinot Noir. 13% de álcool.
Idas e Vinhas

6.   
Domaine du Préau Gevrey
Chambertin 2011
Borgonha. Pinot Noir. 13% de álcool.
Idas e Vinhas

7.   
Chateau La Croix de Marbuzet
Saint-Estèphe 2011
Bordeaux.
60% Merlot, 40% Cabernet Sauvignon (vinhedos de 35 anos). 13% de álcool.
Idas e Vinhas

8.   
Chateau La Commanderie de
Mayzeres Pomerol 2006
Bordeaux. 55% Merlot, 45% Cabernet
Franc. 14% de álcool.
Idas e Vinhas

9.   
Chateau Marquis de Lalande
Saint-Julien 2009
Bordeaux. 53% Cabernet Sauvignon, 47%
Merlot. 13% de álcool.
Idas e Vinhas

10.
Confidences de Prieuré
Lichine Margaux 2008
Bordeaux. 50% Cabernet Sauvignon, 45%
Merlot, 5% Petit Verdot. 13% de álcool.
Idas e Vinhas
Como
prevíamos, empate técnico! Pois em essência Bordeaux e Borgonha podem até ser diferentes,
mas ambas produzem indiscutivelmente vinhos de primeira grandeza. Alegria em
estado líquido!