INSCRIÇÕES ENCERRADAS para o evento ‘Como em Casa’ com Idas e Vinhas®

Idas e Vinhas

NÃO HÁ MAIS VAGAS!!
Em pouco mais de uma semana completamos o número de vagas disponíveis para a degustação “Como em Casa com Idas e Vinhas: Vinho Diversidade”, que ocorrerá no dia 09 de Setembro de 2016.

Fiquem atentos pois já estamos planejando as próximas.

Idas e Vinhas

Provamos e aprovamos… William Fèvre Chacai Chardonnay 2011

Idas e Vinhas

A linha Chacai,
composta pelo Chardonnay e pelo
blend de Cabernet Sauvignon e Franc,
une-se ao The Franq Rouge para
formar a tríplice coroa dos vinhos de montanha de William Fèvre Chile.

Quando se fala em Chardonnay, quem está
familiarizado com os vales chilenos logo pensa no Valle de Casablanca. A região que antes era dedicada à pecuária,
descobriu sua vocação para a vinicultura e desde os anos 90 vem construindo
excelente reputação. O clima frio e o solo são favoráveis à Chardonnay e à
Pinot Noir.
Mas então porque William Fèvre se dedicou a fazer
esse vinho no Vale do Maipo,
conhecido pelos Cabernet Sauvignon? Bom, pelo que já conhecemos, ele gosta de
desafios. E o conhecimento que lhe rende fama pelos incríveis Chablis que porduz na Borgonha com certeza é fundamental.
Além disso, as uvas para o Chacai Chardonnay vem do Alto Maipo, de um vinhedo minúsculo em San Juan de Pirque, a cerca de 1000 metros de altitude. O clima
frio, a insolação e o solo com alta drenagem proporcionam frescor e acentuam os
aromas.
Além disso, o método de vinificação é interessante.
Segundo informações do produtor, as uvas são prensadas utilizando o método que
alguns chamam de método de “Cahampagne”, ou seja, os cachos são prensados
inteiros, com os engaços, o que proprociona estrutura em boca. Todo o suco é
fermentado em barricas de carvalho francesas, com contínua mistura do vinho com
as borras (‘batonnage’). Apenas 25% do lote passa pela fermentação malolática (que
reduz a acidez) para conferir um pouco de cremosidade ao vinho. Após 14 meses
em contato com as borras, o vinho é engarrafado e só é liberado para o mercado
após alguns meses.
Já escrevemos sobre o
produtor aqui.
Vamos ao vinho?
Chacai
Chardonnay 2011
D.O. Pirque. Vale do Maipo.
100% Chardonnay. Fermentado
em barricas de carvalho francês, onde permanece 14 meses para então envelhecer
em garrafa. 14,2% de álcool.
Cor amarelo ouro, com
reflexos dourados.
Bastante rico e intenso em
aromas. Os florais aparecem primeiro – flor de laranjeira, lírios e jasmim.
Girando a taça, abacaxi maduro, capim limão, amêndoas torradas, côco queimado,
chá de camomila e sutil amadeirado. Em boca tem ótimo corpo, é muito
equilibrado, com acidez fresca. Álcool muito bem integrado. Aromas de boca
intensos e persistentes, destacando-se os florais e o coco queimado. Final também
intenso e persistente, com agradável fundo de mel e levemente amadeirado.
Um branco gastronômico!
Ostras, peixes de carne branca, até mesmo uma bacalhoada.
Nota IV: 91. Vinho de estilo
e caráter superiores, torna especial qualquer ocasião.
Descorchados 2013: 94
Vendas no RJ: contato@idasevinhas.com.br. Pouquíssimas unidades!
Idas e Vinhas

Provamos e aprovamos… William Fèvre Chile The Franq Rouge 2010

Idas e Vinhas

Hoje é dia de ícone! O The
Franq Rouge 2010
produzido por William
Fèvre
no Chile, nos vinhedos que compõem o projeto de Vinhos de Montanha.

De
acordo com o próprio William Fèvre, The Franq Rouge é o protagonista secreto de
seus melhores vinhos. O solista em meio ao coro. É produzido com uvas dos vinhedos
localizados em San Luis de Pirque,
no Alto Maipo. Próximo a Santiago, o
Alto Maipo fica nas terras altas do sopé dos Andes. No caso de San Luis de Pirque, cerca de 650 metros
acima do mar.
As
uvas para o The Franq Rouge passam por dupla seleção, garantindo que os
melhores frutos sejam encaminhados para a vinificação, que busca alta extração de
cor. Trata-se de um vinho estruturado, e a alta qualidade dos frutos aliada ao
processo de vinificação o tornam capaz de se beneficiar de longo estágio em
barricas novas. Lembrem-se, apenas bons vinhos ficam ainda melhores com o uso
da madeira!
The
Franq Rouge é um blend com 88% de Cabernet Franc e 12% de Cabernet
Sauvignon
. A Cabernet Franc, que brilha na França nas regiões do Loire e
nos cortes de Bordeaux, tem no Chile a maior área plantada na América do Sul. Sua
alta acidez traz equilíbrio aos blends e é bastante aromática*. Habilidade na
produção das uvas aqui é fundamental, pois a colheita efetuada no ponto ótimo
de maturação é que proporciona o desenvolvimento de intensos aromas florais e
frutados, evitando que os aromas vegetais (especialmente pimentão) sobressaiam.
Foram
produzidas apenas 1456 garrafas!
Já escrevemos sobre o
produtor aqui.
Vamos ao vinho?
The Franq Rouge 2010
D.O. Traiguén. Vale do
Maipo.
88% Cabernet Franc e 12%
Cabernet Sauvignon. 14,6% de álcool.
Passa 16 meses em barricas
novas de carvalho francês.
Cor vermelho granada muito
escuro. Muito rico e intenso em aromas, com surpreendente refrescância. Violetas
e rosas são os primeiros a serem liberados, seguidos de ameixas em calda, licor
de cassis, tabaco, café, baunilha, madeira (em pleno equilíbrio), pimenta do
reino e hortelã. Em boca é encorpado, muito equilibrado, a acidez se contrapõe
elegantemente aos taninos marcantes e finos. O álcool está muito bem integrado,
e os aromas de boca são intensos e agradáveis, com destaque para o café,
chocolate, aromas florais e de menta. Termina intenso, com boa persistência e
fundo de café e menta.
Vinho interessante e
envolvente. Gastronômico, harmoniza muito bem com carnes vermelhas grelhadas ou
boeuf bourguignon
Nota IV: 89
Descorchados 2014: 90
Vendas no RJ: contato@idasevinhas.com.br
Idas e Vinhas

*Jancis
Robinson. Wine Grapes, 2012.

Inscrições abertas… ‘Como em Casa’ com Idas e Vinhas® em 09 de Setembro de 2016

Idas e Vinhas

Inscrições abertas para o ‘Como em Casa com Idas e Vinhas®’, em 09 de setembro de 2016! 

O primeiro ‘Como em Casa com Idas e Vinhas®’ será uma celebração da vinhodiversidade. Seis vinhos, seis países, muito bem acompanhados por pratos preparados com esmero por Fany Beigler, em um ambiente exclusivo e aconchegante.

Utilizamos essa palavra, vinhodiversidade, pois é impressionante a quantidade de rótulos, castas, mesclas, países produtores, que formam um caleidoscópio de cores, aromas e sabores à nossa disposição. Segredos a serem descobertos por esses seres inquietos, os enófilos.

Para essa noite que planejamos mágica, escolhemos vinhos de produtores que admiramos e que trazem aspectos interessantes. 

Das terras altas de Santa Catarina vem o refrescante e deliciosamente aromático espumante rosé. Em seguida cruzamos o Atlântico para degustar um branco italiano, e então avançamos na direção da Nova Zelândia, país em plena ascensão enológica. Retornamos então à América do Sul com vinhos de altitude da Argentina e Chile, finalizando com um potente Tannat uruguaio.

Os vinhos

– Espumante Abreu Garcia Brut Rosé 2015 (Brasil)
– Cantine Antonio Caggiano – Béchar Fiano di Avelino DOCG 2012 (Itália)
– Greywacke – Pinot Noir 2012 (Nova Zelândia)
– William Fèvre – Espino Carmenère 2013 (Chile)
– Finca Sophenia – Reserve Cabernet Sauvignon 2013 (Argentina)
– Montes Toscanini – Grand Tannat Premium 2009 (Uruguai)
O jantar
– antepastos
– torta rústica de abobrinha, calabresa e mascarpone com salada de folhas
– sobremesa
– água, licor e café
Idas e Vinhas
Garanta já sua inscrição, pois são apenas 10 vagas!
Serviço
Data: 09 de Setembro de 2016 (inscrições até 07 de Setembro)
Local: Rua Toneleros, 25, cobertura. Copacabana – RJ
A degustação começa pontualmente as 20h.

Investimento 
R$135,00 por pessoa
Membros do Idas e Vinhas Wine Club: R$125,00. Não é membro? Inscreva-se AQUI!
Formas de pagamento
Depósito identificado ou transferência bancária em parcela única em conta da Caixa Econômica. Cartão de crédito em parcela única por compra segura digitada Cielo.
Inscrições e informações
contato@idasevinhas.com.br
(21) 98218-0717
*Atenção: não fazemos reserva, as inscrições são confirmadas mediante a comprovação do pagamento.
Abaixo está a arte da divulgação (clique para ampliar).

Idas e Vinhas

Agenda… ‘Como em Casa’ com Idas e Vinhas® em 09 de Setembro de 2016

Idas e Vinhas



“A Vida premia quem se movimenta”. Essa frase que ouvimos há tempos é uma verdade. Nossas ‘Idas e Vinhas’ pelos caminhos do vinho vêm nos proporcionando belos encontros…

Na Happy Wine Hour que conduzimos em 13 de julho (veja aqui como foi) conhecemos Fany Beigler. Fany tem um projeto chamado ‘Como em Casa‘, promovendo encontros enogastronômicos em um espaço exclusivo. A empatia e a identificação foram instantâneas, e assim nasceu a ideia de uma nova Wine Experience: não seria realmente especial unir ‘Como em Casa’ e ‘Idas e Vinhas®’ ?

Reserve a sua agenda! 

O primeiro ‘Como em Casa com Idas e Vinhas®’ acontecerá dia 09 de setembro. Será uma celebração da “vinhodiversidade“. Seis vinhos, seis países, muito bem acompanhados por pratos preparados com esmero pela própria Fany, em um ambiente exclusivo e aconchegante.

Aguarde mais detalhes….


O Espumante

Abreu Garcia Brut Rosé 2015 (SC- Brasil)
Os Vinhos tranquilos
Cantine Antonio Caggiano – Béchar Fiano di Avelino DOCG 2012 (Itália)

Greywacke – Pinot Noir 2012 (Nova Zelândia)
William Fèvre – Espino Carmenère 2013 (Chile)
Finca Sophenia – Reserve Cabernet Sauvignon 2013 (Argentina)
Montes Toscanini – Grand Tannat Premium 2009 (Uruguai)
Informações
contato@idasevinhas.com.br
Abaixo está a arte da divulgação (clique para ampliar).

Idas e Vinhas

Provamos, aprovamos e harmonizamos… William Fèvre Espino Gran Cuvée Chardonnay 2014 com robalo ensopado

Idas e Vinhas

Ontem preparamos robalo ensopado para o
almoço. Para acompanhar esse peixe de carne branca e sabor delicado escolhemos
a nova safra do Espino Gran Cuvée
Chardonnay
. Já provamos a safra 2012 (veja
aqui) e gostamos muito. A mineralidade e o frescor
desse vinho têm potencial para valorizar o robalo.

E o resultado
foi ótimo! A safra 2014 é bastante consistente com a anterior. A forma de
vinificação confere ao vinho certas características que valorizam o produto
final. A fermentação em madeira de pequena parte do mosto (apenas 10%) e depois
o amadurecimento em contato com as borras beneficiam o vinho com estrutura e
complexidade de aromas, sem perder a leveza e o frescor.
Os Gran Cuvée da linha Espino
produzidos por William Fèvre no Chile são feitos a partir de um só vinhedo
(single vineyard). As uvas para esse estruturado Chardonnay são provenientes do
vinhedo Punta Almendro, na sub-região Alto Maipo, no sopé dos
Andes e a uma altitude de quase 1000 metros. O clone utilizado veio diretamente
da propriedade na Borgonha que tornou William Fèvre famoso por seus Chablis.
O Espino
Gran Cuvée Chardonnay 2014
é um dos vinhos da campanha que lançamos hoje,
06 de agosto, no nosso Wine Club.
Acesse a campanha: Vinhos de Altitude.
Vamos ao vinho?
Espino
Gran Cuvée Chardonnay 2014
Vinhedos a 840m. D.O. Maipo Andes. Chile.
100% Chardonnay. 13,5% de álcool. 10% do
mosto é fermentado em carvalho francês e o restante em tanques de aço de 6000
litros. O vinho amadurece em contato com as borras finas entre 5 e 6 meses.
Amarelo palha com reflexos dourados. No
nariz, apresenta ampla gama de aromas intensos e persistentes, destacando-se os
florais (flor de laranjeira), frutados (abacaxi, pêssego, tangerina, melão,
grapefruit), alecrim, louro, mel, e sutil mineralidade. Harmônico em boca, com
excelente acidez e álcool integrado. Aromas muito intensos e persistentes. O
final longo, levemente tostado, com fundo de mel e abacaxi em compota e coco
queimado.
Nota IV: 91
Descorchados 2016: 94
Idas e Vinhas
Descobrimos os
vinhos produzidos no Chile por William Fèvre quando iniciamos os
contatos com Wilton Conde, da importadora Domínio Cassis. O que temos a dizer é que os vinhos
são muito bons! Muito bem feitos, têm elegância e equilíbrio. A madeira é
utilizada com parcimônia e inteligência, para preservar o frescor e a
identidade das uvas e do terroir. Leiam sobre os demais vinhos degustados:

Idas e Vinhas

William Fèvre Espino Cabernet Sauvignon 2013

William Fèvre Espino Gran Cuvée Chardonnay2012

William Fèvre Espino Gran Cuvée Cabernet Sauvignon 2011

William Fèvre Espino Pinot Noir 2013

William Fèvre Quino Blanc 2012

William Fèvre Little Quino Sauvignon Blanc 2012

William Fèvre La Misión del Clarillo Chardonnay Reserva 2013

William Fèvre La Misión del Clarillo Cabernet Sauvignon Reserva 2012

William Fèvre The Franq Rouge 2010

Provamos e aprovamos… Ambrosía Viña Única Cabernet Sauvignon 2011

Idas e Vinhas

Potente, versátil,
adaptável, a Cabernet Sauvignon é a
casta tinta mais largamente difundida pelo mundo vinícola. Originária do
sudoeste da França, e famosa por compor aquele que talvez seja o corte mais
famoso para tintos, o “bordalês*”, origina vinhos encorpados, de aromas e
sabores intensos, com taninos marcantes e alto potencial de guarda.

Já degustamos uma boa variedade de vinhos em que a Cabernet
Sauvignon aparece em voo solo ou em cortes. Provamos desde os icônicos Château Margaux, Pichon-Longueville Baron e Comtesse
de Lalande
, Lafite-Rothchild …(pérolas
degustadas no evento anual da revista Wine
Spectator
, em Nova Iorque), passando por californianos de primeiríssima
linha como Carter Cellars, Caymus, Peter Michael, e
mais recentemente estamos descobrindo os Cabernet Sauvignon argentinos.
Muitos de nossos amigos são um pouco reticentes quanto à
Cabernet Sauvignon, queixando-se de aromas e sabores de pimentão muito
acentuados. Esse é um assunto controverso, mas creio que chegamos a uma boa
noção do que ocorre nesses casos. Os aromas vegetais – entre eles a pirazina, associada ao pimentão, fazem
parte da gama aromática da Cabernet Sauvignon, juntamente com especiarias, frutas
negras, menta…
Quando a Cabernet Sauvignon é colhida em seu ponto ótimo de
maturação e o processo de extração do suco é cuidadoso, a pirazina completa seu
processo químico e deixa de ser um incômodo. Integra-se de forma harmônica aos
demais aromas e, somados os efeitos benéficos do uso inteligente da madeira, o resultado
é excepcional.
Esse é o caso do Ambrosía
Cabernet Sauvignon
. Os vinhedos, localizados no distrito de Gualtallary, no
Vale do Uco, estão a 1250m acima do nível do mar. Tal altitude significa muita
insolação, o que favorece o amadurecimento dos frutos e, consequentemente, cor
profunda e ótima concentração de aromas e sabores.
Conheça mais sobre o produtor aqui.
Vamos ao vinho?
Ambrosía Viña Única Cabernet
Sauvignon 2011
I.P. Mendoza. Tupungato, em Mendoza, Valle do Uco Norte. 95%
Cabernet Sauvignon e 5% de Malbec. 14,8% de álcool. Afinamento durante 12 meses
em carvalho francês e mais 12 meses na adega antes de ser comercializado.
Cor vermelho rubi muito brilhante, com reflexos granada. Mostrou
aromas bastante finos, muito intensos e persistentes com notas florais (rosas),
frutas vermelhas e negras maduras (ameixa, cassis e framboesa), tabaco, café,
algumas especiarias (baunilha e louro) e um frescor de hortelã. Em boca é
harmônico, com total equilíbrio entre acidez, álcool e taninos marcantes, finíssimos.
Encorpado, ganhando destaque os sabores das frutas e especiarias. Seu aroma de
boca é bastante fino, de final muito intenso e persistente com notas frutadas e
de baunilha.
Excelente exemplar de Cabernet Sauvignon argentino!
Nota IV: 93
Descorchados 2015: 90

Idas e Vinhas

Veja o que achamos do Ambrosía Viña Única Malbec 2012 aqui.

*Corte borladês:
Cabernet Sauvignon, Merlot e Cabernet Franc são as castas majoritárias. Podem
entrar no corte também a Petit Verdot e a Malbec. Mas como as appelations são muitas, a composição é variável.
Em algumas o corte é feito apenas de Cabernet Franc e Merlot (St Emilión), e o
icônico Château Pétrus (Pomerol) é em muitas safras 100% Merlot.