Enocuriosos… Bebericando por aí – Esencia Uruguay – Montevidéu

Idas e Vinhas



Nos
dois últimos anos os Enocuriosos
estiveram em Montevidéu durante o
verão para apreciar o carnaval local e, se possível, curtir alguma vinícola das
tantas naquele país – famoso pela tannat.
Infelizmente, visitar bodegas no Uruguai sem contratar uma agência de turismo
não é das tarefas mais fáceis (o que dará origem a uma nova série sobre esse
país aqui no blog) e, por isso, por
uma questão de praticidade, propostas como a da Esencia Uruguay nos chamam a atenção.
Já havíamos observado a loja em 2015, mas não tivemos tempo de disfrutar das
suas ofertas àquele momento. Este ano, ao retornar ao encantador ‘paisito’, nos aventuramos a conhecê-la.

A Esencia
Uruguay
tem como proposta ser uma boutique de vinhos produzidos
exclusivamente no Uruguai. Há também venda de uma marca de azeite (igualmente
local) e chocolates artesanais. Além disso, um grande atrativo da casa (ao
menos para nós) é poder degustar boa parte da produção de vinhos finos do país
sem precisar se aventurar por Carmelo,
Canelones ou Punta Ballena. Cabe ressaltar, entretanto, que a Esencia Uruguay é, primeiramente, uma
loja e, como tal, tem por principal atividade a venda de vinhos aos turistas
(que, em alguns momentos, chegam em “bando”) e cremos que sua localização é
estratégica para atingir seu objetivo (está localizada no Peatonal Sarandí, 359).
A
proposta da casa é oferecer três tipos de degustação diferentes: Degustación Premium (3 taças de vinho
com aperitivos), Degustación Aceite de
Oliva
(3 tipos de azeite com pão) ou Degustación
de Chocolates
(chocolates acompanhados de café e licor). Como enocuriosos que somos, fomos de Degustación Premium. O diferencial
positivo (e, por vezes, também negativo) da casa está justamente neste tipo de
degustação: todos os dias são escolhidos (e disponibilizados) 3 rótulos
diferentes do dia anterior. Assim sendo, deve-se considerar de imediato duas
coisas: 1. Não é possível eleger os vinhos de sua degustação (a menos que
compre uma garrafa inteira) e 2. Por outro lado, visitar mais de uma vez a Esencia
Uruguay
fará com que você, certamente, conheça mais sobre a produção
local. Como o preço da degustação é bastante convidativo, não seria descabido
visitar até mais de 2 vezes e fazer um “tour enológico” mesmo sem conhecer as
bodegas.
É preciso dizer que o espaço destinado à
degustação não é grande e o conforto não é o principal atributo – na verdade,
são apenas 3 mesas com banquetas no canto da loja (que por sinal é muito bonita
e organizada).
Idas e Vinhas
Não
é necessário marcar um horário para degustar porque não há uma apresentação
estruturada dos vinhos (com todas as informações que gostaríamos de receber se
estivéssemos em uma vinícola). A proposta é conhecer um pouco mais sobre os
vinhos e tirar algumas dúvidas. A senhora responsável pela loja (e que nos
atendeu) fez uma explicação resumida sobre os vinhos com as características
básicas de cada um, os acompanhamentos sugeridos e alguns dados sobre o
produtor. Em nossa degustação provamos Tannat Rosé – 2015 (Bodega Artesana), Pinot Noir Reserva 2015 (Pizzorno Family Estates)
e Tannat Gran Reserva – Ysern – 2012 (Bodegas Carrau).
Idas e Vinhas
Os petiscos
são adequados, mas a quantidade é módica por demais (o que fez com tivéssemos
que dosar cada mordida para não faltar acompanhamento frente à boa quantidade
de vinho servida). O destaque é o azeite O’33 José Ignacio – Coupage Blancblend das espécies Frantoio e Leccino –
muito bom e que não pudemos deixar de comprar (não devendo nada a um bom
azeite italiano).
Idas e Vinhas
Quanto aos vinhos… foi interessante provar um rosé feito a partir da Tannat
e que foi fermentado em madeira – sem dúvida a percepção é muito diferente do
que comumente esperamos de um “rosado”. O Pinot Noir, a nosso ver, “pecou” um
pouco pelo excesso de madeira (tanto em nariz como em boca), anulando a “delicadeza”
que se espera de um pinot. Já o Tannat
Gran Reserva
não atendeu à expectativa para um vinho com 18 meses de
envelhecimento em barrica.
De toda forma, consideramos a escolha dos vinhos
para a degustação daquele dia bem interessante, pois propiciou conhecer um
espectro bem variado da produção local e, principalmente, explorar alguns
pontos extremos de nossa sensibilidade. É divertido também “investigar” a
diferença de cores e “peso” de cada vinho.
Idas e Vinhas
Quando
encerramos a prova, a senhora responsável pelo serviço se aproximou para
conversar sobre nossas impressões e explicar um pouco mais sobre o estilo de
cada vinícola – foi curioso ver que algumas de nossas percepções estavam
perfeitamente alinhadas com o que o produtor pretendia para o vinho. Não dá
para dizer que “acertamos tudo” ou mesmo que concordamos exatamente com o que
nos foi explicado mas, sem dúvida alguma, foi um exercício interessante e construtivo.
Por fim, conversamos um pouco sobre enoturismo e visita a
bodegas. Aproveitamos para adquirir duas garrafas de bodegas que não poderíamos
visitar durante nossa viagem. O destaque, digo, a grande aposta, fica por conta
do único torrontés uruguaio que
encontramos nas prateleiras (da Bodega
Pisano
) e que ainda iremos provar… (Mais adiante a gente volta para comentar
sobre ele aqui…).
Idas e Vinhas
É “mais passeio” ou é
“mais vinho”?
É mais
passeio. Pelo preço da degustação, já esperávamos provar vinhos de categoria
intermediária e, por isso, não podemos dizer que fomos surpreendidos com o que
foi oferecido. O Tannat Rosé foi o destaque – o que, de certa forma, indica que
os tintos não agradaram ao nosso paladar. Considerando a degustação como um
passeio, é possível encontrar alguns bons argumentos que valorizam a
experiência: a localização é ótima (você não precisa contratar um serviço de transfer para visitar a loja); os preços
são muito bons; os horários, flexíveis; o atendimento, ainda que não seja dedicado
e exclusivo, é atencioso e, o mais importante: a proposta de vender (e ofertar
em degustações) somente vinhos uruguaios é realmente o grande diferencial e
ponto positivo. Recomendamos a visita a todos aqueles que pretendam passear pela Ciudad Vieja e conhecer
um pouco mais sobre os sabores locais. É provável que, em breve, nós mesmos estejamos
de volta por lá, para conhecer e comprar outros vinhos.
¡Salud!
Enocuriosos
*fotos de Dagô e Simone.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *