Volta à França em 40 Vinhos… AOC Muscadet Sèvre et Maine, Domaine de la Vinçonnière – Laurent Perraud: Sur Lie 2013

Idas e Vinhas

O Vale do Loire abriu nossa volta à França.
Escolhemos dois rótulos e o primeiro a ser degustado foi o Domaine de la
Vinçonnière
, da AOC Muscadet Sèvre et Maine.

Para entender um pouco mais sobre o Vale do
Loire
acesse o post que fizemos aqui.
AOC Muscadet Sèvre et Maine
Os vinhedos dessa appelation ficam a
sudeste da cidade de Nantes abrangem 23 cidades cortadas por dois rios, o Sèvre
Nantaise
e o Petite Maine. A junção dos nomes destes dois rios deu
origem ao nome da AOC.
Atualmente a área de produção possui 8.350
hectares de vinhedos, com rendimento de 55hl por hectare. A produção anual do
vinho Muscadet Sèvre et Maine é de cerca de 470.000 hl. 
Idas e Vinhas

O solo

Os solos são compostos de rochas metamórficas e
ígneas da Maciço Armorican, gnaisse, micaxistos, rochas verdes (nefrite)
e, em menor quantidade, o granito. Essa combinação confere aos vinhos a sua
típica mineralidade.
O clima
O Clima é oceânico, as chuvas são
abundantes e bem distribuídas ao longo de todo o ano, sendo o verão bastante
fresco e úmido. Como os verões longos e quentes são exceção, os vinhos do Loire
são notadamente bastante frescos.
A casta
A Melon de Bourgogne é a única casta do Muscadet
AOC.
Nativa da Borgonha, foi introduzida na região por monges em
torno de 1635. É bastante resistente a geadas, que são comuns nesta região.
Resulta
em vinhos de caráter mineral com toques cítricos, além de leve efervescência (Jancis
Robinson
). A tradição de envelhecimento com as próprias borras acrescenta
sabor ao vinho, já que a Melon é considerada neutra.

Idas e Vinhas

A
vinificação
A
marca registrada do Muscadet é o seu processo de envelhecimento. Após a
fermentação, os vinhos são tradicionalmente deixados em contato com as suas borras
(sedimentos de leveduras mortas ou residuais da fermentação alcoólica) em
tanques revestidos de vidro ou em tanques de aço inoxidável. Este processo
permite que os vinhos desenvolvam um paladar mais complexo, sabores mais
profundos e também adiciona frescor. Os vinhos são então engarrafados
diretamente, sem filtragem.
Para
os vinhos serem rotulados como “sur lie“, obrigatoriamente devem ter passado
um inverno em contato com a levedura e terem sido engarrafados entre 1 de Março
e 30 de Novembro. Exceções devem seguir às regras da AOC.
O produtor
A Produção de vinhos pela família Perraud
já está na sétima geração e os seus vinhedos ficam nas privilegiadas encostas
de Nantais, no Vale do Loire.
Laurent Perraud cultiva os seus vinhedos respeitando o
terroir e o meio ambiente, monitorando o seu desempenho e otimizando a
qualidade das suas uvas. Todas estas práticas são auditadas por um organismo
independente, “Terra Vitis”, para assegurar que o vinho seja elaborado
com uvas cultivadas de acordo com regras específicas e com rastreabilidade das
práticas culturais verificadas.
Vamos ao vinho?
100% Melon de Bourgogne, vinhedos com 38 anos, 11,8%
de álcool.
Cor amarelo palha claro. No
olfato apresentou aromas bastante finos, intensos e persistentes com notas
minerais, florais (jasmim e rosas) e cítricas (limão), chá e mel. No paladar é
de corpo leve, fresco, macio e com álcool equilibrado. Final de boca muito
persistente com fundo cítrico, mel e floral.
Esse
vinho ganhou a medalha de ouro no Concours des Grands Vins de France a Macon,
em 2014.
Nota IV: 87
Importadora: Everest 
Idas e Vinhas
Veja aqui outro Muscadet de Sèvre et Maine que provamos.
Acompanhe a Volta à
França em 40 Vinhos

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *