Agenda: Degustações ‘Idas e Vinhas’ e ‘MondoVinho’ – Vinhos Franceses

Idas e Vinhas



É com satisfação que anunciamos a parceria do Idas e Vinhas com o blog MondoVinho em um projeto de degustações dirigidas.

Com o apoio da  Lidador Rio Sul e Ráscal Rio Sul, periodicamente conduziremos encontros temáticos com vinhos cuidadosamente selecionados, mantendo o nosso estilo informal.

Quem abre a temporada é nosso amigo Mario Trano (MondoVinho), que nos convida a desvendar algumas das maiores regiões vinícolas da França.
A degustação acontece no dia 08 de Agosto e o local é um capítulo à parte: o Restaurante Ráscal Rio Sul. Além dos vinhos, finas comidinhas ao melhor estilo mediterrâneo completam a experiência.
As vagas são  limitadas!

Data: 08 de Agosto de 2013 (inscrições até o dia 07 de Agosto). 
Informações e inscrições: idasevinhas@gmail.com
Confiram todos os detalhes na arte abaixo.

Idas e Vinhas

Provamos e aprovamos…Columbia Crest “H3 Horse Heaven Hills Chardonnay”

Idas e Vinhas

A Columbia Crest é uma vinícola conhecida por produzir excelentes vinhos, sua
linha Reserve recebe altas notas da mídia especializada. Está localizada na AVA
(American Viticultural Area) Horse Heaven Hills, uma subregião da AVA Columbia
Valley, estado de Washington, na costa oeste dos Estados Unidos. Washington,
Oregon e Califórnia são as mais conceituadas regiões produtoras do país.

Há alguns meses degustamos o Cabernet Sauvignon da linha
intermediária, a H3 – Horse Heaven Hills, e ficamos bastante impressionados
pela qualidade. (veja post aqui).
Vamos ao vinho…
Idas e Vinhas
O visual agrada logo de início. Tem uma bela cor amarelo-ouro com
reflexos dourados, típico da Chardonnay.
No nariz, a palavra-chave foi refrescância. Os primeiros aromas
são de capim limão, hortelã e flor de laranjeira. Em seguida, movimentando a
taça, surgem notas de abacaxi, melão, mel e aromas minerais. No entanto, deixou
a desejar em persistência.
Em boca, os aromas iniciais se confirmaram, mas a nota
predominante foi de tostado, seguido de um leve amanteigado. Essas notas são bastante
apreciadas pelos americanos e consideradas típicas dos Chardonnay produzidos no
país. De corpo médio, com muito boa acidez e álcool em equilíbrio. Final
agradável e de persistência média.
Toda essa diversidade aromática é resultante da sua forma
interessante de vinificação:
38% do lote é fermentado em barricas novas de carvalho americano e
francês, 37% é fermentado em barricas de 2º, 3ºuso e o restante é fermentado em
tanques de aço inoxidável. 75% do vinho passa pela fermentação malolática (que,
aliada à passagem em madeira, confere à Chardonnay o aroma de manteiga), e o
total de tempo em madeira é de 9 meses.
Essa combinação permite que os aromas frutados, florais e minerais
sejam preservados, enquanto aromas mais complexos se desenvolvem.
Mas confessamos que esse vinho nos agradaria mais se a madeira não
estivesse tão presente….por isso nos interessamos bastante pelo Chardonnay da
linha Reserve, sem passagem em madeira.
O Rótulo
Vinho:
Columbia Crest “H3 Horse Heaven Hills Chardonnay”
Produtor: Columbia Crest
Castas: 100%
Chardonnay
Safra: 2009
País: Estados
Unidos
Região: Horse
Heaven Hills, Columbia Valley, Washington
Graduação: 13,5%
Nota Wine
Spectator: 86
Nossa nota: 82

Preço: R$110,00,
importado pela Winebrands

Vinhos House of Mandela no Winebar do dia 23 de Julho de 2013

Idas e Vinhas
Em mais um Winebar
(em parceria com a importadora Ravin) degustamos dois vinhos da House
of Mandela, com a condução de Daniel Perches e tendo como convidado Rogério Dávila (Ravin).







Idas e Vinhas

A
House Of Mandela é uma marca criada pela família de Nelson Mandela (ex presidente
sul africano e ganhador do prêmio Nobel da Paz) que vem licenciando uma série
de produtos, entre eles, o vinho. A empreitada mostra que a família está atenta
a um setor em franca expansão no mundo e, em especial, na África do Sul (em
2008 respondia por cerca de 3% da produção global de vinho, já em 2010 ocupava
a 8ª posição na lista dos países produtores).
A
produção dos vinhos é feita por vinícolas cuidadosamente selecionadas pela
Master of Wine Lynne Sherriff. São elas: Thelema Wine State, Hartenberg Wine State e Fairview Wine
State.
Os
vinhos escolhidos para o Winebar foram o Sauvignon Blanc e o Pinotage da linha Thembu
Collection
, Denominação de Origem
Western Cape. Vinhos para o dia a dia, surpreendem pelo equilíbrio e exibem uma
complexidade que nem sempre se encontra em vinhos dessa faixa.
Os
rótulos das garrafas desta linha são criativos e bonitos, retratando uma
vestimenta típica para homens na África do Sul: O Dashiki ou Madiba Shirt. Para
cada varietal da linha Thembu, uma estampa diferente.
Idas e Vinhas

Vamos
aos vinhos?
House of Mandela The Thembu Collection Sauvignon Blanc 2012
Cor
amarelo-palha com reflexos esverdeados. No nariz o destaque são para os frutos cítricos
(limão), frutas de polpa branca (maçã verde, pêra), flor de laranjeira e um
toque refrescante de erva doce. Agradável na boca, com bom corpo, boa acidez e estrutura.
Saboroso e fácil de beber.
Nossa
nota: 88
Idas e Vinhas

House of Mandela The
Thembu Collection Pinotage 2012
De
cor vermelho-púrpura. No nariz, o primeiro aroma é o de caramelo. Agitando a
taça, aparece a ameixa madura, café, tabaco e um certo floral (violetas). Em
boca, está equilibrado, os taninos são de boa qualidade, acidez e álcool em
harmonia. De médio corpo e com final agradável.
Nossa
nota: 88
Idas e Vinhas

Embora
a família esteja sendo bastante criticada por explorar o nome de Mandela em
tantos produtos e seus membros já estejam disputando o seu espólio, ao menos,
podemos constatar que os seus vinhos são de boa qualidade e com bom custo
benefício.
Os
dois vinhos degustados custam R$49,00 cada (agora em promoção, do dia 15 a 30/07, por R$39,00) e
são importados e comercializados pela Ravin.

Aconteceu… Istituto del Vino Italiano di Qualità – Grandi Marchi – 18 de Julho de 2013 – RJ

Idas e Vinhas

Quinta feira passada
aconteceu mais um grande evento de vinhos no Rio de Janeiro, e, pela primeira
vez, nos salões do hotel Copacabana Palace, na orla de Copacabana. Estamos
falando do Istituto del Vino Italiano di Qualità – Grandi Marchi.

O
Istituto del Vino Italiano di Qualità – Grandi Marchi, fundado em 2004, é o
resultado da união dos dezenove mais importantes produtores de vinho italianos
para promover a comercialização e a cultura do vinho italiano de qualidade nos
principais mercados mundiais.
O
evento no Rio foi a segunda e última etapa do circuito brasileiro, que iniciou
em 16 de Julho em São Paulo. Essas duas cidades
vêm se consolidando como destino de feiras e eventos relacionados ao vinho
promovidos por instituições de diversos países, reflexo do importante papel que
o Brasil vem desempenhando como mercado consumidor em expansão de vinhos finos.
As
seguintes vinícolas são membros do Istituto: Alois Lageder, Ambrogio e Giovanni
Folonari Tenute, Antinori, Argiolas, Biondi Santi Tenuta Greppo, Ca’ del Bosco,
Carpenè Malvolti, Donnafugata, Gaja, Jermann, Lungarotti, Masi,
Mastroberardino, Michele Chiarlo, Pio Cesare, Rivera, Tasca d’Almerita, Tenuta
San Guido, Umani Ronchi. E o grupo é presidido por Marchese Piero Antinori.
A
organização foi de responsabilidade da agência I.E.M(International Exhibition
Management), em parceria com a empresa de comunicação CH2A liderada por Alessandra B. Casolato.
A
melhor parte do evento foi sem dúvida a Master Class (conduzida por Marcelo Copello) que nos deu a oportunidade de conhecer alguns dos vinhos top
das vinícolas, bem como ouvir suas particularidades comentadas pelos seus
representantes.
Idas e Vinhas

Idas e Vinhas
Idas e Vinhas
Idas e Vinhas
Idas e Vinhas
Da esquerda para a direita 1ª fileira: Domenico Scimone / Nicola Massa / Sebastiano di Corato / Vicenzo Masi
Da esquerda para a direita 2ª fileira: Roberto Actis / Cesare Benvenuto / Dario Pennino / Fabio Genovese
Idas e Vinhas
Os
vinhos apresentados foram os seguintes:
Tasca d’Almerita (Sicília) – Tascante IGT 2008
Rivera (Puglia) – Il Falcone Riserva
2007
Umani Ronchi (Marche e Abruzzi) – Pelago,
Marche Rosso IGT 2008
Masi (Vêneto) – Grandarella 2007
Michele Chiarlo (Piemonte) – Cerequio
DOCG
2007
Pio Cesare (Alba) – Barolo Ornato 2007
Donnafugata (Sicília) – Ben Ryè DOP 2009
Os
nossos preferidos são:
Pio Cesare (Alba) – Barolo Ornato 2007
Mastroberardino (Campania) – Radici Taurasi
Riserva DOCG 2006
Antinori (Toscana) – Guado Al Tasso 2009
Michele Chiarlo (Piemonte) – Cerequio DOCG
2007
E
para fechar, o espetacular Passito di Pantelleria DOP da Donnafugata (Sicília) – Ben Ryè DOP 2009
(este vinho é impressionante em todos os aspectos).
Após
a Master Class, fomos degustar mais alguns das centenas de outros rótulos
disponíveis no salão principal e, como de costume, relacionamos abaixo os que mais
gostamos.
Idas e Vinhas
Alexandre Follador (1º da esq. para a dir.) com Phillipe Germa – Aref (1º a esq.) e Janio T. de Souza – Zamoth (ao lado de Phillipe)
Carpenè Malvolti (Vêneto) –
Prosecco Cuvée Oro e Cuvée Brut
Idas e Vinhas

Masi (Vêneto) – Masianco 2011 (branco)
Masi (Vêneto) – Costasera 2007
Idas e Vinhas

Michele Chiarlo (Piemonte) – Gavi Le Marne 2011 (branco)
Michele Chiarlo (Piemonte) – Barolo Tortoniano 2007
Idas e Vinhas

Donnafugata (Sicília) – Anthìlia 2012 (branco)
Donnafugata (Sicília) – Mille e una Notte
2005
Idas e Vinhas

Tasca d’Almerita (Sicília) – Rosso del Conte
2006
Idas e Vinhas

Mastroberardino (Campania) – Lacryma
del Vesuvio
Idas e Vinhas

Ambrogio e Giovanni Folonari (Toscana)
Cabreo il Borgo 2007 (Excelente!!)
Idas e Vinhas

Pio Cesare (Alba) – Fides 2009
Pio Cesare (Alba) – Barbaresco 2007
(Excelente)
 Idas e Vinhas
Sugestão
para as próximas edições do evento: limitar o número de participantes. Houve um
determinado momento em que era praticamente impossível alcançar as ilhas de
degustação. Devido ao excesso de participantes, muitos vinhos acabaram bem
antes do final do evento.

Agenda: Degustação Idas e Vinhas – Vinhos da Toscana

Idas e Vinhas
É com muita satisfação que anunciamos a próxima degustação Idas e Vinhas! O encontro, que acontece no dia 01 de Agosto, é dedicado à Toscana, considerada o berço de alguns dos melhores vinhos tintos do mundo.

A proposta é simples: encontros temáticos e descontraídos para aprender ou simplesmente conhecer diferentes vinhos. 

O local escolhido também é especial: o belo show room da Casa Flora – RJ. Além dos vinhos, uma fina seleção de frios e delicados azeites completam a experiência. 
Data: 01 de Agosto de 2013 (inscrições até o dia 28 de Julho). 
Informações e inscrições: idasevinhas@gmail.com
Confiram todos os detalhes na arte abaixo.
Idas e Vinhas

Agenda…Wine Spectator’s New York Wine Experiences

Idas e Vinhas
A cada dois anos a revista americana Wine Spectator promove o New York Wine Experiences. São três dias de celebração do Vinho, com degustações exclusivas conduzidas pelos produtores, centenas de rótulos apresentados no salão principal, vinhos raros…


O evento deste ano acontece entre os dias 24 e 26 de Outubro, no Hotel New York Marriott Marquis.

Quem adquirir o passaporte completo ($1875,00, hospedagem não incluída) poderá participar de degustações exclusivas que acontecem ao longo do dia (sexta e sábado), degustações premium a partir das 18h30 (Critics’ Choice Grand Tastings, quinta e sexta feira) e almoços harmonizados (sexta e sábado), além de garantir um lugar no jantar de gala que acontece no sábado.
Uma forma mais econômica de comparecer ao evento é participar apenas das Critics’ Choice Grand Tastings, a um custo de $ 250,00 por noite. E não é pouca coisa! São mais de 250 vinícolas selecionadas e premiadas pelos editores da Wine Spectator com o Critics’ Choice Award. Cada vinícola tem o compromisso de oferecer a degustação de pelo menos um grande vinho (com nota superior a 90 pontos da WS).
Alguns dos produtores confirmados que farão apresentações individuais de grandes vinhos:

Michel Chapoutier, M. Chapoutier

Paul Draper, Ridge Vineyards

Frédéric Drouhin, Maison Joseph Drouhin
Álvaro Palacios, Alvaro Palacios
Justin Smith, Saxum Vineyards

Entre as degustações exclusivas:

Rhône’s Château de Beaucastel

Piedmont’s Gaja

Sonoma’s Peter Michael
Germany’s Riesling
Champagne’s Roederer Cristal
Spain’s Termanthia
Wine Spectator’s 2012 Top 10 wines

Nós estaremos lá!

Confiram aqui a programação completa:

Aconteceu… Degustação Kuentz-Bas na ABS RJ – 09 de Julho de 2013

Idas e Vinhas

Ontem Jeremy Bas esteve na ABS para
apresentar um pouco da história da vinícola da sua família, localizada na
Alsácia (já fizemos um post sobre a vinícola aqui
)

Idas e Vinhas
Foi
a oportunidade para conhecermos 4 vinhos da linha básica Tradition e 2 da intermediária
Collection. São vinhos simples,
feitos para o dia a dia. A vinícola produz uma linha de vinhos de guarda,
provenientes de vinhedos grand cru,
que infelizmente não fizeram parte da degustação.
Jeremy
iniciou os trabalhos nos apresentando o seu Crémant D’Alsace Collection Chardonnay.
Este
espumante repousa nas garrafas durante 18 meses antes de ser comercializado. Com
aromas delicados de leveduras e notas tostadas . Em boca apresentou boa
quantidade de agulhas e a acidez conferiu correto equilíbrio, convidando a uma
nova taça.
Riesling Tradition
2011
Apresentou
notas de flor de laranja e jasmim, um toque vegetal, frutas de polpa branca (lichias
e maçã verde). Em boca é seco, fresco e leve, as notas cítricas e minerais são
confirmadas. Com boa acidez e de final agradável.
Nossa
nota: 87
Muscat Collection
2010
No
nariz surgem aromas de casca de laranja, especiarias frescas (funcho e hortelã),
um leve toque de mel e pedra de isqueiro. No palato é fresco, com boa
mineralidade e a acidez é viva.
Nossa
nota: 88
Pinot Gris Tradition
2009
Com
notas de mel, pêssego e pêra, pimenta do reino e um leve defumado. Em boca é
fresco, elegante e equilibrado. Final agradável, com intensidade média.
Nossa
nota: 84
Gewürztraminer
Tradition 2010
Uma
explosão de aromas delicados e envolventes: maçã, rosas, pêra, damasco fresco,
chá, flor de laranja e alguma nota vegetal. Em boca apresenta boa acidez e os sabores
proporcionados pelos aromas são confirmados. Com final de boa persistência e
retrogosto levemente tostado.
Nossa
nota: 86
Pinot Noir Tradition
2010
De
cor rubi claro, quase diluída (não é defeito, mas sim uma característica da
região). As primeiras notas são das frutas vermelhas frescas e adocicadas, em seguida
surgem os vegetais (musgo e cogumelos), e um leve mineral. No quesito acidez,
deixou um pouco a desejar. Taninos pouco presentes, até mesmo para um Pinot
Noir. De média persistência e final levemente amargo. Vinho simples, mas
correto.
Nossa
nota: 82
Idas e Vinhas

Provamos e aprovamos… Cerveja New World Porter – Avery Brewing Co.

Idas e Vinhas

Quem for à bucólica
Falls Church, Virginia (uma pequena cidade a cerca de 20 km de Washington DC)
pode pensar que não será fácil encontrar um lugar para comprar vinhos. Mas o
enófilo que se preza está sempre alerta! A assim, quanto menos se espera, não
muito longe da igreja que dá nome à cidade, fica a Red White & Bleu,
uma simpática loja gourmet.

Idas e Vinhas
Ao
entrar na loja o que logo chama atenção não são os vinhos, mas sim centenas de
rótulos de cervejas bastante incomuns. Elas vêm de todo o mundo, possuem
rótulos incríveis e os mais variados teores alcoólicos.
Idas e Vinhas

Idas e Vinhas
Quanto
aos vinhos, o portfólio não é grande, mas se encontram excelentes opções.
Trouxemos para a nossa adega o cobiçado Caymus Special Selection e um premiado
vinho produzido na Virginia, o Octagon
(Barboursville Vineyards). Veja aqui o post sobre este vinho.
Mas
hoje foi o dia da cerveja estilo Robust Porter: a “New World Porter”, lançada
sazonalmente em edição limitada e produzida pela Avery Brewing Co, do Colorado.
As
cervejas do tipo Porter são normalmente escuras, de sabor forte e longa maturação.
A New World, do tipo Robust, é enriquecida com lúpulo desidratado (dry-hops), o
que lhe confere aromas refrescantes herbáceos, de menta e de eucalipto. Outros aromas que percebemos foram chocolate e tostado. Encorpada, de cor caramelo escuro, com espuma cremosa e leve. O amargor está presente na medida certa. É característica desse tipo de cerveja. O teor alcoólico é 6,7%, conferindo equilíbrio.
Idas e Vinhas
Gostamos bastante e recomendamos!

Preço em dólares: $2,60

Leia o post da excelente cerveja “Bourbon County 2012 – Goose Island” que também compramos no mesmo local.

Degustação de Vinhos Nobres da Casa Flora – 04 de Julho de 2013

Idas e Vinhas

Ontem à noite participamos
de uma happy hour diferente: a degustação de alguns dos melhores vinhos do portfólio
da Casa Flora.
O evento reuniu um seleto grupo de clientes amigos
da importadora.

Idas e Vinhas

A seleção dos vinhos, por conta de Humberto Cárcamo e Abel Mendes, foi acertada. Havia exemplares da França, Portugal, Itália, Chile e Austrália e para acompanhá-los nada melhor que queijos e frios espanhóis, azeite de oliva, pães e um excelente bacalhau ao forno.
Idas e Vinhas
Foi uma noite divertida e informal, ótima oportunidade para conhecer pessoas (tanto apreciadores como profissionais diretamente ligados ao vinho), conversar sobre viagens e restaurantes, trocar impressões sobre os vinhos degustados e fazer novas amizades. O clima descontraído e a qualidade das comidinhas fez da ocasião uma agradável happy hour.
Idas e Vinhas

Idas e Vinhas
Os
rótulos degustados foram os seguintes:
Espumante Veuve du Vernay Brut (Bourgogne – França)
Confidencesde Prieure Lichine 2008 (Margaux – França)
Duorum Reserva 2008 (Douro – Portugal)
Mitolo G.A.M. Shiraz2007 (McLaren Vale – Autrália)
Neblus 2009
(Valle de Casablanca – Chile)
Clos Micault Pommard 1er
Cru (Bourgogne – França)
Luigi Einaudi Terlo Barolo 2009 (Piemonte – Itália)
Difícil
foi eleger os melhores da noite. Para nós, o Top 3 foi:

Aconteceu: Grande degustação de vinhos portugueses – Rio de Janeiro, 27 de Junho de 2013

Idas e Vinhas

Desta
vez os vinhos portugueses tiveram destaque em mais um grande evento no Rio de
Janeiro. O local escolhido foi o consulado de Portugal, conhecido como Palácio
de São Clemente. Belíssimo! Concluído em 1961, o palacete inspira-se na
arquitetura portuguesa do século XVIII.

Idas e Vinhas

A
Wines of Portugal tem feito um
grande trabalho de divulgação dos vinhos portugueses aqui no Brasil e já é
bastante comum termos ao menos dois destes eventos por ano nas grandes capitais
brasileiras. É a oportunidade que os produtores e profissionais do vinho têm de
se encontrar para degustar bons vinhos e, quem sabe, fechar novas parcerias.
O
que mais nos atraiu para comparecer a este evento foi a master class que seria ministrada pelo Master of Wine Dirceu
Vianna
, com o tema “Apreciar
a Diversidade dos Vinhos de Portugal”. Dirceu é paranaense e há 24 anos mora em
Londres. Confesso que ficamos um tanto quanto decepcionados pelo que vimos e
ouvimos nas quase 2 horas de palestra. Como a plateia não era formada por
iniciantes (eram jornalistas, sommeliers, formadores de opinião…) esperava-se
um conteúdo mais profundo sobre a riqueza e diversidade que Portugal oferece em
termos de produção vinícola.
Idas e Vinhas

Idas e Vinhas
No
que se refere à expectativa dos vinhos, fomos plenamente recompensados. No
salão havia aproximadamente 40 expositores e importadores apresentando os seus
vinhos.
Idas e Vinhas

Vamos
aos vinhos que mais gostamos?
Ficamos
quase meia hora conversando com Hans K.
Jorgensen
(Cortes de Cima). Vinhos, a propriedade na região alentejana da
Vidigueira, o início do projeto de produção orgânica…conversa que fluiu fácil
degustando os excelentes vinhos da família.
 

Idas e Vinhas
Hans K. e Carrie Jorgensen
Idas e Vinhas

Outros
destaques:
Idas e Vinhas

Douro
Fronteira 2011
Idas e Vinhas

Idas e Vinhas

Idas e Vinhas

Vidigal Wines (Uma grata surpresa!)
Idas e Vinhas

Idas e Vinhas